Transtorno de Personalidade Esquizóide – Sintomas, Tratamento, Relacionamento Social.

O transtorno de personalidade esquizóide e outros transtornos de personalidade são distúrbios que envolvem uma sintomatologia que compromete muito a pessoas, interferindo em seus relacionamentos sociais, trabalho, vida afetiva, etc.

Veja mais sobre distúrbios psicológicos

Veja sobre transtornos de personalidade

Veja sobre testes de personalidade

Veja sobre testes de psicologia

Veja sobre esquizofrenia

 

Os sintomas e características do transtorno de personalidade esquizóide são:

- Padrão evasivo e deslocamento de relações sociais

- Gama restrita de expressão de emoções

- Início dos sintomas na idade jovem ou adulta

- Ausência de desejos

-Ausência de amizades e relações afetivas

- Distanciamento afetivo inclusive com a família

- Preferência por atividades solitárias

- Pouco interesse nas relações sexuais

- Indiferença a elogios ou críticas

- Frieza emocional

- Comportamentos considerados estranhos ou excêntricos

 

O tratamento em Psicoterapia para o Transtorno de Personalidade Esquizóide pode ser conduzido em diferentes abordagens, porém nenhum deles é considerado mais eficaz.

 

Tal como acontece com todos os transtornos de personalidade, o tratamento de escolha é a psicoterapia individual.

 

No entanto, as pessoas com esse transtorno normalmente não procuram tratamento, exceto se estiverem em crise aumentada, sob estresse ou pressão na sua vida.

 

O tratamento geralmente deve ser de curto prazo em sua natureza para ajudar a solucionar a crise imediata e individual ou problema mais gritante.

 

O paciente com transtorno de personalidade esquizóide normalmente só fica em tratamento até que perceba melhora em sua situação clínica, quando daí costuma abandonar o tratamento, ou seja, não adere o suficiente para dar sustentação à melhora terapêutica.

 

Para o paciente os objetivos do tratamento, na maioria das vezes, estão somente relacionados à solução imediata da crise situacional e normalmente só aceitação alguma abordagem que permita focalização específica do problema ou no máximo uma psicoterapia breve.

 

O desenvolvimento do relacionamento e uma relação terapêutica confiante provavelmente terão melhor adesão, e isso deve ser realizado como um processo lento e gradual no qual não o paciente nunca se permite desenvolver-se plenamente.

 

As pessoas que sofrem desta desordem frequentemente mantém distância social com as pessoas nas suas vidas, mesmo daqueles próximos a eles.

 

O Psicólogo clínico deve trabalhar para ajudar a garantir a segurança do cliente na relação terapêutica.

 

Deve reconhecer os limites do cliente, pois isso é fundamental, pois não deve criar situações de confrontação.  

 

A Psicoterapia de longo prazo deve ser evitada devido ao seu tempo necessário de envolvimento e adesão que acaba comprometendo os resultados práticos e financeiros com as dificuldades inerentes do comprimento da terapia.

 

Em vez disso, a psicoterapia deve concentrar-se no foco dos problemas emergentes para aliviar a crise atual com objetivos prementes e as preocupações vitais ou estressores na vida do indivíduo.

 

A Psicoterapia Cognitiva com técnicas de reestruturação cognitiva, ensaios comportamentais, e exercícios podem ser adequados para determinados tipos de transtornos esquizóides, formulando políticas claras, corrigindo pensamentos irracionais que estão influenciando negativamente o comportamento do paciente.

 

O quadro terapêutico deve ser claramente definido no início do tratamento.

 

A estabilidade e o apoio são as chaves para o bom tratamento com alguém que sofre de transtorno personalidade esquizóide.

 

O terapeuta deve ter cuidado para não “abafar” o cliente e ser capaz de tolerar algumas possíveis deliberações de comportamentos.


Outra alternativa é a terapia de grupo, com grupos homogêneos ou heterogêneos que podem ajudar-se mutuamente, dirigidos por profissionais competentes.

 

Veja mais sobre transtorno de personalidade esquizóide, esquizofrenia, esquizofrenia na adolescência, transtornos mentais, distúrbios de personalidade, testes de personalidade, testes psicológicos, como tratar transtornos psicológicos, acesse estas categorias no site ou clique nos links desta página. 

 

 

 

  1. 46 Responses to “Transtorno de Personalidade Esquizóide – Sintomas, Tratamento, Relacionamento Social.”

  2. obrigado pelo site,pois através dele estou conseguindo me descobrir como ser humano,estou con 55 anos e ainda não me conheço,mas estou com forte proposito de buscar minha essencia,como pessoa comum.obrigado que Deus os aabençoe tchau rerere

    By PAULO CESAR on Dec 18, 2009

  3. tenho todos os sintomas…mais nao sei ao certo se devo falar com um psicólogo! me sinto assim desda época que começei a frequentar a escola! =s

    By bruna on Oct 13, 2010

  4. tbm tenho esses sintomas…preciso de ajuda =’[

    By Barbara Kriss on Jan 20, 2011

  5. ME AJUDEM POIS ME IDENTIFICO COM TODAS AS DESCRIÇÕES E NÃO SUPORTO VIVER ASSIM

    By RENA on Feb 22, 2011

  6. meu namorado está dentro dessa descrição, estamos tentando o namoro 5 anos e nao dura um ano voltamos a estaca zero, a falta de sentimento, a desmotivação pra tudo e intolerancia a tudo e todos que o amam, ele afasta, hj o problema está ainda maior pois estamos morando na mesma casa e estou gravida nos dias para meu nenem nascer, sempre q voltamos é tudo de bom mas nao dura um ano e ele se afasta, o amo muito e nao suporto o sofrimento dele, ele é um cara honesto trabalhador, muito inteligente, mas nao tem alegria, ele nao sabe se ja amou um dia…o que posso fazer para ajudalo…

    By Andreia on Apr 25, 2011

  7. Eu tenho tbm todos esses sintomas, mas não acho q precise me curar, se lá, acho q ser assim facilita mto a minha vida. Vejo pessoas sofrendo um bocado por coisas q eu nunca faria, por relacionamentos e etc. Mantenho colegas, sou simpática, ajudo sempre q posso, mas pq eles podem ser uteis tbm – acho q deveria ser sempre assim…
    Sou celibatária btw.

    By Ana on Aug 13, 2011

  8. Descobrir a um tempo que tenho esse tipo de personalidade e não me encomodo muito. Tenho 24 anos… e talves faça mal para mim, mais deixa, um dia talvez isso tudo passe.

    By Livia M on Sep 24, 2011

  9. @Ana e @Livia M
    Penso da mesma forma, não vejo necessidade em tratar, até porque isso pode resolver um problema porém criar vários outros.

    By Maicon on Sep 28, 2011

  10. Bem… hoje eu acho que finalmente descobri o que se passa comigo… sei que sou a ovelha negra da família, da faculdade, dos amigos (poucos)… ficar sozinha me faz bem… mas tb me afasta do convívio social… nunca encontrei de fato a minha “tribo”. Espero que um psiquiatra me ajude, tenho tido problemas por ser assim…

    By Luciana on Oct 26, 2011

  11. Tb me identifiquei com os sintomas. Tenho 34 anos e no final da adolescencia comecei a perceber mudanças em meu comportamento social, me afastando dos amigos e evitando-os. Na faculdade tb não firmei relacionamentos duradouros. Hoje continuo assim, não sou capaz de sustentar amizades no ambiente de trabalho e pelo contrario até fujo de reuniões socias entre colegas, prefiro meu cantinho. As pessoas com certeza me acham esquisita. Mas, sou bem casada e tenho um filho, nosso convivio é ótimo, mas me incomoda contatos com outros parentes, não gosto de muita aproximação….Fica dificil procurar ajuda terapeutica pois detesto falar de minha intimidade com estranhos.

    By Sheila on Dec 1, 2011

  12. Notei que fiquei assim desde que fui largado após um namoro de 6 anos. As pessoas dizem que me tornei indiferente, bipolar… E realmente, esse ano comecei trabalhar com atendimento ao público numa cidade pequena, que é tão estressante que eu evito ao máximo contato com essas pessoas nas ruas. Evito proximidade, sequer as cumprimento. Ligam no meu celular e eu não atendo… Quando conheço uma garota que fica no meu pé demais, eu me estresso e começo a ignorá-la. Já até disseram que me amam e eu só respondi: “tá, que bom”…

    Será que posso estar com esse problema?

    By Macgyver on Dec 25, 2011

  13. Obrigada pelo site, agora com essa certeza vou procurar um psicólogo.

    By Rebeca Fontinele on Dec 28, 2011

  14. Qual é o tipo de tratamento psicológico que eu devo procurar? Será que também há a necessidade de tratamento psiquiátrico?
    Tenho muitos desses sintomas e mais um pouco de borderline e puer aeternus.

    Obrigado.

    By eduardo on Jan 8, 2012

  15. Nossa, tanta gente que nem eu…também sou assim, acho bem provável que tenha esse distúrbio. Não tenho amigos próximos e não tenho vontade de namorar, gosto só de ficar sozinha…eu não fico infeliz por isso, o que me deixa infeliz é que quanto mais tento ficar reclusa, mais as pessoas me perseguem e se incomodam com isso.

    By Bruna on Jan 21, 2012

  16. me identifiquei com quase todos os sintomas…exceto pela frieza emocional e distanciamento afetivo da família…me identifiquei também com varios comentários…
    evito qualquer tipo de pressão…fujo de pessoas que me cobram…me importo com as pessoas, mas se as pessoas me cobram, isso me faz querer me afastar totalmente (exceto se as pessoas forem membros da minha família)…raramente sinto vontade de participar de eventos sociais…na grande maioria das vezes, prefiro ficar em casa…não gosto que as pessoas toquem em mim ou se aproximem muito, tenho um certo pavor disso, o que muitas vezes inclui contatos do tipo abraço, aperto de mão, beijo no rosto…mais uma vez, excetuando minha família…me sinto muito feliz sendo assim…mas dificuldades com algumas amizades têm me feito atentar mais para minha vontade de fugir de relacionamentos, e tentando achar o porque de eu me sentir dessa forma, acabei achando esse site. O texto me esclareceu muita coisa, e procurarei ajuda psicológica em breve. Muito obrigada!

    By cintia on Feb 1, 2012

  17. Gostaria de saber como conviver com pessoas esquizoides, meu filho vive esse trnstorno e não sei como me comportar para ajuda-lo.

    By Marcia on Mar 21, 2012

  18. Gostaria de saber como conviver com pessoas esquizoides, meu filho tambem vive esse trnstorno e não sei como me comportar para ajuda-lo. nao temos dialogo, ele se irrita facilmente. deve existir tratamento com medicaçao? me ajudem por favor!

    By regian on Apr 3, 2012

  19. eu gostei de ver sobre isso, ate prq eu tenho esse tipo de problema, e por causa disso eu nao sorrio mt, eu vivo de mal com a vida, etc!

    By mozart israel de oliveira quintino on May 5, 2012

  20. Me indentifico muito com esses sintomas, Não tenho muito dialogo com meus pais e os amigos que eu tinha eu mesmo me distanciei dele. tenho dificuldade de fazer com que as pessoas se aproximem mais de mim. Acho que indentifiquei o problema

    By Leandro on May 20, 2012

  21. Se alguem quiser dialogar sobre o assunto.
    lesilvapinheiro@gmail.com

    By Leandro on May 20, 2012

  22. Fui diagnosticada por meu psiquiatra com transtorno esquizoide. Tomo remédios estabilizadores de humor, anti depressivos e específicos para o problema. Estes me engordou muito e me dão um sono terrível. Estou afastada do trabalho há 2 anos. Quero muito voltar a ser EU, mas não consigo. Tem um sintoma q tenho, mas n está listado acima: ouço VOZES q “falam” na minha cabeça coisas terríveis. Já fui parar no hospital para faer lavagem gástrica, várias vezes, pq tentei me matar tomando todos os meus remédios de vez. Não vejo a luz q dizem ter no fim do túnel. Quem tiver um caso semelhante, poste aqui para partilharmos desta dor.

    By Cristiane on Jun 11, 2012

  23. Acredito também sofrer deste problema. O mais interessante, como alguns apontaram, é que eu não tenho vontade de me tratar, uma vez que eu teria a necessidade de pessoas, e considero isso uma ‘fraqueza’. Pra mim, ser feliz é não depender de ninguém, em todos os aspectos. Eu não sei o que fazer, porque, embora veja tudo isso como um problema, ainda me sinto mais são, racional e verdadeiro que as pessoas ‘normais’.
    Além disso, sou hiper-sensível, não tenho relações sexuais e há dois anos estou solteiro. Tenho 22 anos, sou um rapaz “de boa aparência” e não permito novas pessoas entrando em minha vida pra possíveis amizades, a menos que se mostrem muito,mas muito interessantes.

    By Henrique on Jun 24, 2012

  24. Ah, lendo os comentários acho que me identifiquei um pouco. Mas ainda acho que esse pode não ser meu problema, ou se é tem muito mais aqui dentro.
    Tenho praticamente todos os sintomas, mas o fato que me incomoda é que sou nova e há muito tempo me sinto assim.
    Namorei por quase 2 anos e nunca fizemos sexo, acho que isso foi estragando meu relacionamento. Tenho pouco e ás vezes nenhum interesse sexual, isso é estranho na minha idade (tenho 17 anos).
    Já pensei várias vezes em procurar um psicólogo, mas estou esperando completar 18 anos.
    Quem quiser conversar sobre o assunto deixo meu email : emanuelle.sway@gmail.com

    By Emanuelle on Jun 28, 2012

  25. Engraçado, descobri esse transtorno agora e ja descobri outras pessoas assim, iguais a mim. Nunca pensei que meu jeito era errado, talvez diferente, pareço uma pessoa estranha quando comparada as outras “normais” mas me sinto bem. Juro que nunca pensei que encontraria outras pessoas assim, os comentarios aqui me ajudaram bastante. Mas só para maiores esclarecimentos decidi que vou consultar um médico. Me identifiquei demais com o Henrique. Sinto ter uma percepção das coisas, pessoas e de mim mesmo que os outros parecem não ter. Tenho 18 anos e não tenho interesse algum em ter um relacionamento, a não ser que seja de forma intelectual. Qualquer coisa – maluci_lucy@hotmail.com

    By Malu on Aug 27, 2012

  26. me identifiquei com muitas dessas situações, sempre desconfiei que tinha algo errado comigo. e isso me fazia sofrer, chorar muito , e sentir uma tristeza que não passa , preciso de ajuda :’(

    By Adriana on Sep 16, 2012

  27. Pessoal, descobri q o problema é cíclico. Passo por fases “”normais”"”, depois de euforia, irritação e depois, fundo do poço. Em todas essas fases, continuo ouvindo vozes, mas , nas épocas em q estou melhor, convivo “pacificamente” com elas, que sempre têm um teor destrutivo. Agora estou bem: tomo Leponex, Zrtron, Rivotril e Stilnox. Eles me engordaram muito e isso me deprime, pq ninguém quer se ver gorda ( ficando deformada). Estou fazendo dietas e caminhadas, mesmo assim o peso desce com dificuldade(quase nada ). Me sinto totalmente diferente das outras pessoas: é como se vivesse em um mundo paralelo. Hj em dia, nem conto para o meu marido q escuto as vozes para ele n me ver com piedade e me encarar como uma louca. Ele me acha bipolar, mas já está, aos poucos, tirando os registros das minhas alucinações, q escondo a sete chaves. Tomara q eu consiga continuar assim. Força para todos q vivem nesse mundo paralelo.

    By Cristiane on Dec 11, 2012

  28. Ola
    Gostaria de saber como conviver com pessoas esquizoides, meu filho tambem vive esse trnstorno e não sei como me comportar para ajuda-lo. nao temos dialogo, ele se irrita facilmente. deve existir tratamento com medicaçao? me ajudem por favor! Ele vive meditando pela casa.
    Sandra

    By Sandra maia on Dec 29, 2012

  29. Meu filhos tem todos estes sintomas e muitos outros mas não admite que tem problemas e que psicólogos e psiquiatras não sabem nada, o que fazer? como leva-lo ao médico para uma avaliação se ele não aceita? Por favor eu preciso muito de ajuda para saber o que fazer neste caso, alguém me ajuda. Ele tem 24 anos.
    Grata
    Sandra

    By Sandra maia on Dec 29, 2012

  30. OLA, MEU PAI ESTA EM TRATAMENTO NO CAPS NA MINHA CIDADE,TEM 54 ANOS E NÃO CONSIGUE MELHORAS, QUANDO MELHORA É POR POUCO TEMPO, TOMA OS REMEDIOS COMO A PSIQUIATRA MANDA, MAS NÃO ENCONTRA SUCESSO, TEM MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO, NO MESMO TEMPO EM QUE ESTA CALMO, FICA MUITO NERVOSO, NAO É AGRESSIVO PREFIRE FICAR NA MAIORIA DAS VEZES, SOZINHO, NÃO CONFIA NAS PESSOAS, AS VEZES TEM VISÕES E OUVE VOZES, AS VEZES CONFUNDE O IRREAL COM O REAL, E ACHA QUE ESTA SENDO PERSEGUIDO, TOMA OS SEGUINTES REMÉDIOS:
    RESPIRIDONA – MIRTAPINA – TOPIRAMATO – E RIVOTRIL, AGORA FOI MUDADO PARA EUTONIS, JÁ TOMOU CARBOLITIO E OUTROS QUE NÃO LEMBRO, FAZ PSICOTERAPIA, CONSULTA COM PSICOLOGA SEMANALMENTE E PISIQUIATRA MENSALMENTE, É TRATAMENTO INTENSIVO SERÁ QUE VOU VÊLO FELIZ NOVAMENTE? TODA A FAMILIA TEM TIDO MUITA PACIÊNCIA, MAS CONFESSO QUE É DIFICIL, ME ORIENTE, GRATO – RAFAEL

    By ANTONIO on Jan 15, 2013

  31. Boa Tarde,..estou a um tempo lendo muito sobre a personalidade esquizóide.Pois comecei a me relacionar com uma pessoa que eu acho incrível,inteligente,dono de uma percepção sem tamanho.No entanto,suas condutas e relatos tem me deixado com muitas dúvidas sobre sua personalidade.Ele gosta de ficar sozinho,se sente bem.Parcece que fica mergulhado num mundo de perguntas sem respostas o tempo todo,as vzs publica uns desenhos no face triste,apavorantes até:como casas mal assombradas velhas,árvore secas e sem vida ao vento etc.Conversamos bastante quando nos encontramos,ele é uma pessoa adorável,vejo nele adjetivos importantes,mas ele deixou claro que não consegue avançar o relacionamento,gosta quando estamos juntos mas se sente “engessado” diz que não sabe como nem aonde ele ficou assime que me diz isso pra me proteger,pois se sente um “animal sem coração”,ele não tem ninguem,nao é do tipo “galinha”,nem nada,e diz se sentir diferente quando está com algum amigo,e se sente feliz com ele mesmo.Faz uso de lítio por ser Bipolar,achei que pudesse ser algum efeito colateral,mas quando comecei a ler sobre P.Esquizóide,pude enquadrá-lo em vários ítens(na verdade,a maioria ),no entanto,o que me deixa com dúvidas é que ele ja foi casado,e diz ter amado sozinho,sofrido,e não querer que eu passe por isso.Pode ter se manifestado agora?ele tem 31 anos.

    By Denise on Jan 17, 2013

  32. Passo em Psiquiatra a outro, um diz que esquizoide outro diz que não passa de nada. Agora, não sei.Estou nesse dilema tenho esse problema desde a adolescência,não tenho interesse a nenhum relacionamento social ou afetivo. Até porque, não consigo me expor, e outra pessoa entender, tem que explicar sempre,fora que analiso outras pessoas com suas euforias e coisas sem sentindo. Daí como nao me compreendem, acham que sou Autista ou algo do tipo, acreditem ouvi isso de uma garota que eu gostava.Enfim, estou nesse dilema. Agora que estou na vida adulta, gostaria de ter vontade de ter uma vida sociavel e efetiva, no entanto, não consigo. Agora que esse novo psiquiatra que disse que nao estou com nada, to me sentido perdido e sem saber o real problema.

    By Giovani on Jan 29, 2013

  33. Estamos juntos… descobri que sou exatamente assim.

    By Diego de Lima on Jan 31, 2013

  34. como dizia…minha filhota é linda….fruto de uma noite só com um amigo….mas nem por isso menos amada….mas sempre estou em crises e ela percebe que não estou bem…já fugi com ela, eu já fugi e deixei ela co minha mãe….já tentei me matar varias vezes…..até o dia em que conheci o homem da minha vida…ficamos noivos, eu tentei terminar com ele antes que o mal acontecesse, mas ele sempre voltava e eu fraquejava….até que aconteceu uma crise braba e ele descobriu tudo, acabei roubando um amigo dele e ele convenceu o tal amigoa naao prestar queixa contra mim…..ele me mandou emborada acsa dele, minha mãe me mandou embora, meu pai tbm e sai de casa e fui acolhida por um estranho taxista que conheci na esquina da minha casa….me levou pra casa dele e me deixou morar lá até minha vida de ajeitar um pouco….ele viajou pormeses eeu fiquei tomando conta da casa dele….recomecei meu tratamento de histrionca com terapia e medicação….até que descobri que tava gravida do meu ex noivo…mas ja era tarde, pois só descobri quand me levaram para o ps municipal e eu tava tendo um aborto….nunca contei ŕa nnguem….mas uma amiga que fiz durante meus 90 dias de internação na clinica psiquiátrica resolveu comentar com o meu ex noivo achando que ele sabia….ele me procurou na hora…pediu pra voltar e voltamos…mas volta e meia ele desconfiava de mim e me mandava embora de novo….mas sempre…dias depois ele voltava chorando e pedia pra voltar….até o dia que estava gravida de novo e ele veio até minha casa, disse que me amava…qe queria ter essa familia comigo…que ia fazer o tratamento omigo pra aprender a lidar e me ajudar pq eu era uma mulher e mãe maravilhosa e que valia apena….mas por causa da gravidez eu tive que para a medicação e já estav entrado em crise de novo…tentava contar e pedir a ajuda dele mas ele é do tipo que quando n~ao dá conta de alguma coisa ele a afasta e nunca conseguia falar…minha oragem de admitir o que tava acontecendo ia embora como um atmo….ai consegui trazer inha flha de volta, ele me pediu pra voltar pra casa dele pra ele cuidar melhor d mim e me afundando mais e mais….e sem plano de saude, sem dinhiero, perdi um app….tava desmoronando….atéo dia que minha gravidez de risco me levou pro hospital em trabalho de parto prematuro pela 2 vez…e ele descobriu tudo….as mentiras, que perdi o ap, que tava sem plano de saude e dependendo do sus, que tava sem dinheiro té pra fazer a matricula da escola da minha filha….ele pirou… se juntou com minha mãe e emeu irmão…e decidiu que vou ficar na cas dele até o bb nascer e euamamentar, ai ele vai pedi a guarda e me enterditar…minha filha vai fcar com minha mãe….mas ele diz que ainda me ama mas que acabou e que não quer saber se disse que ia me dar chance….não tenho como criar 2 crianças….mas ele deixa eu dormir ao lado dele na cama….mas me humilha, todo dia….não posso sair de casa por ordem medica….tô em desespero….me ajudem e ajudem ele…..por favor

    By paula violeta on Feb 28, 2013

  35. desculpa…mas a primeira parte do meu comentario não foi enviada….

    By paula violeta on Feb 28, 2013

  36. Conheci um homem de 44 anos disse sair de um casamento com uma mulher com esse diagnostico, conversamos uns 4 dias por telefone, me ligava a todo instante, tivemos um encontro romantico, maravilhoso, parecia ter sempre a mesma expressaõ, demonstrou extremo interesse sexual por mim, no entanto depois da primeira ejaculaçao, afirmou dores no estomago, e tinha sudorese fria co exagero, a partir dai, ficou quieto, quase apatico, repetimos a relaçao mais tarde, e teve recusa de beijo, passou a falar pouquissimo, tomamos cafe da manha juntos me deixou em casa, nao me ligou mais, falava sempre de si mesmo, disse que precisava de uma relaçao, ter alguem urgente. Tinho um discurso de imcompreensão dos outros e injeutiças afetivas.

    By sulei on Apr 8, 2013

  37. Gostaria de um esclarecimento.Conheci um homem de 44 anos disse sair de um casamento com uma mulher com esse diagnostico, conversamos uns 4 dias por telefone, me ligava a todo instante, tivemos um encontro romantico, maravilhoso, parecia ter sempre a mesma expressaõ, demonstrou extremo interesse sexual por mim, no entanto depois da primeira ejaculaçao, afirmou dores no estomago, e tinha sudorese fria co exagero, a partir dai, ficou quieto, quase apatico, repetimos a relaçao mais tarde, e teve recusa de beijo, passou a falar pouquissimo, tomamos cafe da manha juntos me deixou em casa, nao me ligou mais, falava sempre de si mesmo, disse que precisava de uma relaçao, ter alguem urgente. Tinho um discurso de imcompreensão dos outros e injeutiças afetivas.

    By sulei on Apr 8, 2013

  38. vai com calma ai gente…nem todo mundo aqui tem o problema. não é assim. TEM Q PROCURAR UM PSICOLOGO OU TERAPEUTA COMPORTAMENTAL E SÓ ELE DIRÁ O QUE VC TEM, tem coisas que sao fases, e tem outras que se parecem muito com outros transtornos. fique ligado a net é só para esclarecer e não diagnosticar.
    ja a Paula oprobela dela é mais serio, nada a ver com esquizoidia.
    Boa sorte pra vcs.

    By Liz Silva on Apr 11, 2013

  39. Fico muito triste ao saber que muita gente tem esse transtorno porque compartilho do mesmo sofrimento.Ao ler no site os sintomas vi que me encaixo em quase todos e também. Não sabia o que era agora me sinto mais orientada. Estou com quase 42 e queria entender porque sou assim. Já faço tratamento para depressão há dois anos e mesmo tendo melhorado com os medicamentos tem hora que parece que vou pirar, por isso pedi a Deus que me ajudasse a entender o porquê de ser assim.Sinto que Ele me atendeu ao me orientar em pesquisa na net. Pretendo conversar sobre isso com minha médica que é ótima e tem me ajudado muito, resta saber se vou conseguir falar. Ela já havia me dito que eu era uma das mais difíceis ao começar o tratamento justamente porque foi muito difícil eu conseguir contar sobre mim para ela, mas mesmo após tantas consultas ela não dos meus problemas mais íntimos, porque ainda não contei.Porém estou decidida a me expor mais para que ela possa me ajudar mais.Desabafem colegas, porque viver assim não dá…O pessoal mais jovem talvez se conforme e ache que não precisa de ajuda, mas sinto muito em dizer que eu também achava até ficar mais velha e ver que continuo do mesmo jeito. Por mais que haja sofrimento, com ajuda certa podemos nos sentir melhores. Força , pessoal. Deus os abençõe!

    By Cilene on Apr 24, 2013

  40. Sou esquizoide e faço psicoterapia, mas faço apenas para conseguir o básico de uma vida social, coisas como trabalhar e estudar, já que eu realmente gosto de ser esquizoide, é parte de quem eu sou.

    By G.H Fonseca on Aug 17, 2013

  41. minha namorada tem esses sintomas. Estamos juntos há 15. Sempre achei o comportamento dela estranho, mas sempre pensava que podia fazer algo para modifica-la. Até 2 semanas atras ela me pediu separaçao. Fiquei arrasado. Dediquei esse tempo todo com corpo e alma, porem nao houve reconhecimento dela. Fiquei muito triste, e decidi deixar ela viver a vida dela.Mas ao mesmo tempo tenho vontade de voltar para ajuda-la. Mas ajudar em que? se ela optou viver sozinha, se ela se sente feliz assim, se ela nao tem minimo interesse por mim… o que devo fazer ???

    By cheng on Nov 9, 2013

  42. Quais as possibilidades de dar certo um relacionamento entre duas pessoas com TPE ?

    By Alvaro on Mar 13, 2014

  43. Tenho uma irmã que apresenta tais características,ela vem criando situações há dois messes, das quais justifica a ruptura de afetos e relações familiares, até mesmo filhas.Ela já teve quatro crises agudas,nas três primeiras vezes consiguimos levá-la até o médico no Paraná e ele disse que ela é esquizofrênica.Tudo foi muito traumático, para conseguirmos levá-lo, tivemos que interagir com ela fingindo acreditar em seus delírios e necessidades de fuga, o apoio de uma tia que trabalha com esse medo foi fundamental.A última crise, nós conseguimos levá-la à uma médica, fingindo ser a outra minha irmã a paciente, a médica, não deu crédito à nossa fala, deu mais crédito à ele, e contestou à nossa atitude, porém ela nunca participou junto à nós ao estágio limite e perigoso em que a minha irmã chega, ou chegou. Tenho medo que a minha irmã volte a ter essas crises, e por nos manter afastadas não conseguirmos ajudá-la. o marido dela com personalidade duvidosa têm dificultado ainda mais a situação. Para melhor entendermos o contexto em que se chegava ao ponto agudo, criamos um ambiente para melhor analisar a ambientação do casal e filho hoje com seis anos, e percebemos ser muito conturbador e propício para alterações emocionais íntimas ou não. Ele sempre a denunciava para nós que ela não estava tomando os medicamentos, ao contrário ouvimos uma discussão entre os dois e vimos que ele estava dificultando que ela tivesse acesso ao medicamento que ela precisava e cobrava para tomar, já que ele, colocando-se prestativo, tomou para si a responsabilidade sobre o remédio. Remédio este que ele diz conseguir de terceiros, sob o argumento de ser muito caro. Por quê então ele jogava a responsabilidade sobre ela na hora em que nos percebemos mudanças comportamentais dela. Na discussão ela questionava sobre o medicamento, e ele dizia que estava com dificuldade para conseguir, e ela dizia que não queria que ele à expusesse, se não conseguisse teria que comprar,então ele disse que era caro e não poderia comprar, muito nervosa ela disse à ele eu pago. Rápido e friamente ele disse então me dá o dinheiro. Como em um dia ele que ela não queria tomar o remédio deliberadamente, no evidencia-se que ele é quem dificulta o acesso do medicamento à ela?Hoje devido algumas percepções que sobrecaíram nele, vejo necessidade de melhor conhecê-lo, para de fato ajudá-la, pois ele a conhece muito bem, os pontos positivos e também negativos, e em várias situações verificamos que ele parece manipulá-la de acordo com os seus interesses. Inventando e criando situaçõs para nos afastar, até mesmo afastar as duas filhas dela (de um outro relacionamento).Hoje, mediante ao domínio dele sobre ela, e quadro em que ela vem apresentando, tenho medo do que possa vir acontecer, pois os meus pais vivem na casa dela, por questões de saúde,pois, sendo ela enfermeira. Ultimamente, têm se tornado bastante agressiva, verbalmente, privando eles de algumas liberdades e direitos. O quê faço?

    By Rosilene Silva dos Santos on Apr 3, 2014

  44. Quando descobri q tinha TPE, senti em primeiro plano alívio, pois me achava um “monstro gelado”. Tudo se encaixou, encontrei a resposta, sobre o meu fantástico mundo interior: literatura, música, filmes, erotismo ( tudo do mais sofisticado, e em vários idiomas, pois domino 03).
    Sou um gigante intelectual, mas um pigmeu na área emocional, quando saio nas raras vezes, todos assuntos são enfadonhos, me enojo rapidamente. Essa inteligência emocional limitada, me cansou, sinto a necessidade de cura ( sei q não há p o TPE), ou pelo menos aprender o convívio social.
    Bom fica meu testemunho, e continuarei a engatinhar p um crescimento emocional.

    By Leonardo on Aug 31, 2014

  45. Tenho os sintomas , mas nao os acho ruim, pelo contrário. Mas gostaria de conversar com pessoas com esses sintomas, seria legal. Queria ver se existe uma causa raiz.

    By Nina on Oct 18, 2014

  46. sou mãe de um filho que tem esquizóide estou tendo muito trabalho p/ ele não quer tomar os remédios ele tem 17 anos e ele é muito reservado um adolecente muito bonito preciso de ajuda…

    By claudine on Oct 21, 2014

  47. Tenho todos estes sintomas, contudo não vejo problema algum com eles, para mim a misatropia é a coisa mais próxima à vida, prefiro ser uma pessoa fria a uma pessoa insuportavelmente e irrirantemente sentimental e dependente de outros,não compreendo esse sentimentalismo, nem amor, às vezes penso ser drama.
    Aliás, não acredito muito em psicologia e afins, me interessa e me parece mais palpável a neurociência e afins… eu realmente acho que estes sintomas fazem parte da condição humana, e que em alguns é mais acentuado. A psicologia quer rotular tudo, o que foge do senso comum social é patológico, me lembra o Conto O Alienista de Machado de Assis.

    By Mariana on Nov 8, 2014

Post a Comment

Spam protection by WP Captcha-Free