Síndrome de Asperger : Tratamento para Síndrome de Asperger

Há uma grande variedade de tratamentos para ajudar indivíduos que possuem a Síndrome de Asperger

 

Alguns tratamentos e estratégias permitem ajudar estes indivíduos para aprenderem melhor, ter maiores habilidades sociais e mais facilidade de comunicação e integração, tornando-os capazes de interagir socialmente de forma mais naturalmente.

 

Atualmente, na Síndrome de Asperger, como também na maioria dos transtornos mentais, não há cura definitiva.

 

Mas, centrando-se na aprendizagem e nas maneiras de lidar com os sintomas e nas interações sociais, a maioria dos indivíduos com Síndrome de Asperger levam vidas bastante típica, com amigos e entes queridos e com bom desempenho social.As Intervenções psicossociais para indivíduos com Síndrome de Asperger:

 

 


A Psicoterapia individual pode ajudar o indivíduo aprender as habilidades sociais de formação, para melhor detectar os sinais sociais, e em lidar com as emoções em torno desse transtorno.

 

As questões que devem ser focadas na terapia envolvem:

·         Educação dos Pais e a formação adequada para lidar com a Síndrome no ambiente familiar

·         Trabalho de Modificação comportamental com a criança que possui a síndrome e com os familiares

·         Treinamento de habilidades sociais

·         Intervenções educacionais

 

As intervenções psiquiátricas também devem estar concomitantes com as etapas do tratamento psicoterápico:

 

Medicações para hiperatividade, desatenção e impulsividade:

Uso de psicoestimulantes (metifenidate, dextroamfetamine, metamfetamine), clonidina, antidepressivos tricíclicos (desipramina, nortriptilina, atomexetina, etc.)

 
Para irritabilidade e agressividade: Estabilizantes de Humor(valproato, carbamazepina, lítio), betabloqueadores (nadolol, propranolol), clonidina, naltrexona, neurolépticos (risperidona, olanzapina, quetiapina, ziprasidona, haloperidol)
Para preocupações, rituais e compulsões: ISRS (fluvoxamina, fluoxetina, paroxetina), antidepressivos tricíclicos (clomipramina)


Para ansiedade: ISRS (sertralina, fluoxetina), antidepressivos tricíclicos (imipramina, clomipramina, nortriptilina)

 

O acompanhamento psiquiátrico e a terapia cognitiva comportamental num trabalho conjunto podem trazer os melhores benefícios para a pessoa com Síndrome de Asperger, conseguindo uma atuação social plena e satisfatória.

 

Veja mais sobre Síndrome de Asperger e sobre tratamento para Síndrome de Asperger acessando estas categorias no site ou clicando nos links desta página.

  1. 141 Responses to “Síndrome de Asperger : Tratamento para Síndrome de Asperger”

  2. meu filho tem 22 anos e todos os sintomas da sindrome de asperger.Gostaria de receber mais informacoes sobre tratamento e se possivel ter contato com pais que passaram pela mesma situacao e ja conseguiram obter resultados com algum tipo de medicamento obrigada

    By lia on Mar 30, 2011

  3. ´Meu filho tem 12 anos e tem a síndrome de asoerger, no momento ele está fora do nosso controle, pois quando tentamos corrigí-lo colocando limites acabo sendo vítima de espancamento e fúria, parece que nem é ele por aqueles instantes, quando passa ele me abraça, pede desculpa e diz que me ama. Apanho mais ou menos tres vezes por semana, ele toma ritalina LA 30mg, risperidona 2mg e parece que não faz nada de efeito, ele está pesando 56 Kg, pois ele pede comida o tempo todo. se alguém puder ajudar agradeço.

    By debora on Apr 20, 2011

  4. debora sou pai de uma criança de 5 anos que e portadora de sindrome de asperger. ele toma neolipitil e agora a neuro mudou o medicamento para rispiridona. pra ser sincero quando li a bula não tive coragem de dar o remedio. anti psicotico alucinações. meu filho não apresenta este perfil. gostaria de poder trocar informações com vc. relativas a rispiridona e tambem a todo o processo de tratamento. estou enviando meu msn para se possivel fazermos contato.

    By PAULO TEIXEIRA on May 1, 2011

  5. Débora
    Será que o diagnóstico está correto?Asperger não costumam ser agressivos dessa forma.
    Não estou duvidando de ti mas me assustei muito com o teu relato.

    PAulo TEixeira
    A risperidona é o único medicamento aprovado para uso em autismo no mundo.
    É um excelente medicamento.Meu filho toma há 4 anos.
    Não te preocupes o remédio é ótimo.
    Vou te deixar meu email se quiseres trocar mais informações.

    claudia.collares@redemeta.com.br

    By claudia collares on May 21, 2011

  6. Olá meu filho tem quase 4 anos e ainda não fala muito bem, como as crianças da mesma idade. Também não gosta de outras crianças e não gosta de ser contrariado, está dificil chegar em um diagnostico, será que vcs podem me ajudar?

    By marcia on May 26, 2011

  7. Debora tenho um filho asperger com 14 anos.
    qdo tomou risperidona em nada melhorou pelo contrario engordou 5 kg em 3 meses e comia ate pedra.Tambem ficou agressivo tomando a risperidona.Por ultimo tomou abilify e ficou dopado.Enfim hoje está sem medicamentos e esta otimo. Faz terapia com pisicologa e esportes.
    Não existe remédio para curar apenas para dopar.
    Mas existe Deus, que tudo pode, temos buscado a Ele e é assim que nosso filho é curado.Amém.

    By Rita de Cassia \Armstrong on Jun 13, 2011

  8. Meu filho tem 10 anos, já tomou risperidona e sertralina. No começo, parecia estar dando um efeito legal, mas depois, ele ficou intensamente irritado e agressivo. Também começou a comer desesperadamente. Hoje, um ano sem os medicamentos, que retirei por minha conta e risco, pois o médico neuropediatra que cuidava dele ficou doente e nao encontramos outro. Lógico, fui tirando devagar… Fui orientada pela supervisora da escola em que ele tinha entrado a poucos meses, a avaliar estes medicamentos, pois ele dormia na maior parte da aula(estudava a tarde). Foi tirar os medicamentos e ele melhorou. Não dormiu mais na aula e as notas, ótimas(ele não estuda para nenhuma prova em casa, só mesmo no horário de aula) e seu boletim ano passado foi o melhor da classe. O neuropediatra, ficou fazendo experiencias com meu filho… Não sabia se era autismo, se era TOC…. Mas não me falou em asperger. Este início de ano a supervisora da escola me orientou a ler sobre o tema, pois ela acha que meu filho se enquadra no caso. Li e concordo com ela. Mas gostaria de saber como agir, nós pais e familiares. Ele é muito difícil. Não gosta de sair, quer dizer, gosta de sair mas não de curtir os passeios. Não do jeito que as pessoas normalmente curtem. Gosta de ficar isolado. Não se mistura e isto é difícil para nós pais e irmã. Pois nos relacionamos normalmente com as pessoas. Encontramos, cumprimentamos e conversamos e isto para ele é tortura. Então o que fazer??? Se paramos com alguem na rua, ele nos irrita tanto, faz tanta “falta de educação” para nós e para a pessoa, que ficamos chateados e envergonhados. Ficamos muito tristes por ele destratar nossos amigos e até coleguinhas dele e da irmã. POR FAVOR, ME AJUDEM!! PRECISO DE ORIENTAÇÃO EM COMO LIDAR COM ELE NESTES CASOS!!!
    Meu email:cintiacosta14@yahoo.com.br
    Grata! Aguardo resposta.
    Ah! Já tratei com floral de bach e teve um bom resultado, só que eu não sabia que tinha que ser por no mínimo 3 meses. Quando apareceu a melhora, eu parei… Durou pouco e voltou. Quero voltar a ministrar floral, pois é um tratamento mais leve. É só ter paciência, pois é um tratamento longo e várias vezes ao dia, mas acho que vale a pena.

    By Cíntia on Jun 24, 2011

  9. Postei ontem um comentario aqui, mas hj ele não mais está…O que houve?

    By cintia on Jun 25, 2011

  10. ok!!! Apareceu meu comentário!!! Obrigada!

    By cintia on Jun 25, 2011

  11. oi eu sou silmara tenho meu filho diego de 16 anos
    e descobri que ele tem autismo gostaria saber mais como ajudar meu filho.

    By silmara on Jun 26, 2011

  12. Olá pessoal!
    Sempre fui esquisito e complicado, e me achava meio autista, até que descobri que tinha a Síndrome de Asperger.
    Há muitos anos venho me tratando com um remédio que não é indicado para este problema, mas, mesmo assim, melhorou bastante os meus sintomas. Não é controlado, não tem contraindicação nem efeitos colaterais e pode ser usado indefinidamente. Só é um pouco caro, e de vez em quando falta no mercado.
    Chama-se Hydergine. Eu uso cápsulas SRO de 6 mg.
    Espero que esta informação ajude alguém.

    By Persis on Jun 30, 2011

  13. Olá pessoal!

    Minha filha tem 16 anos, foi tardia ao falar (3 anos), sempre agressiva com todos,descobrir a uma semana que ela tem sidrome de asperger, fiquei arrasada com o diagnostigo c o neuro me deu, ainda estou tendo que me adaptar a nova vida, por mais que desconfiase do problema, se alguém puder trocar informações, agradeço.

    By ady aguiar on Jul 7, 2011

  14. Debora tenho um filho asperger com 14 anos.
    qdo tomou risperidona em nada melhorou pelo contrario engordou 5 kg em 3 meses e comia ate pedra.Tambem ficou agressivo tomando a risperidona.Por ultimo tomou abilify e ficou dopado.Enfim hoje está sem medicamentos e esta otimo. Faz terapia com pisicologa e esportes.
    Não existe remédio para curar apenas para dopar.
    Mas existe Deus, que tudo pode, temos buscado a Ele e é assim que nosso filho é curado.Amém.

    By Rita de Cassia \Armstrong on

    parabens pelo post, em poucas linhas descreveu e definil muitos casos dessa nossa vida de “guiados pelos médicos”, q com falços diagnosticoa e muitos interesses, mantém por meses ou ate pelo resto de sua carreira, pacientes e dependentes em medicamentos e com comportamentos previstos e controlados, sobretudo, inplicito aos responsaveis.

    By wstain on Jul 21, 2011

  15. Olá! Pessoal

    Eis um teste interessante para medir o nível da Síndrome de Asperger.
    No site: http://www.rdos.net/br/

    Após terminar de responder as 150 perguntas, clique em calcular.

    Análise extraída do site italiano para os resultados deste teste: http://www.fobiasociale.com/hey-tu-che-tipo-di-timido-fobico-sei-20949/pagina-7/
    Infelizmente não é uma análise profunda.

    * * * * *

    Talento Aspie
    Um valor alto é ligado ao talento e/ou um alto potencial cognitivo.

    Talento neurotipico
    Muitos diagnósticos de Déficit de Atenção e/ou hiperatividade estão ligados a uma baixa pontuação.

    Compulsão Aspi
    Uma pontuação elevada é ligada ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo.

    Compulsão neurotípica
    A baixa pontuação é muitas vezes ligada à frieza e distanciamento social.

    Comportamento Social Aspi
    Uma pontuação elevada é correlacionada com Deficit de Atenção e/ou hiperatividade, transtorno bipolar e transtorno opositivo-desafiador.

    Comportamento Social neurotípico
    A baixa pontuação, é ligado à fobia social.

    Comunicação Aspi
    Uma pontuação elevada é ligada a síndrome de Tourette (http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADndrome_de_Tourette) e relacionada
    com estereotipias incomuns e formas de comunicação.

    Comunicação neurotípica
    A baixa pontuação tende para um diagnóstico da condição do Espectro do Autismo.

    Mania Aspi
    Uma pontuação elevada é associada a diferenças nas funções perceptiva e executiva (atenção, auto-controle).

    Mania neurotípica
    A baixa pontuação, é ligada à dislexia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Dislexia) e/ou discalculia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Discalculia).

    Percepção Aspi
    Uma pontuação elevada é ligada a um sistema de percepção muito sensível, à vezes presente no SPD (transtorno do processamento sensorial) e CAPD (Disturbio de processamento auditivo central ).

    Percepção neurotípica
    A baixa pontuação é relacionada à Dispraxia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Dispraxia)

    Ambiente
    Uma pontuação elevada é associada a diversos diagnósticos psiquiátricos. É indicação de uma adaptação ruim, presente ou passada, ao ambiente contemporâneo.

    By Persis on Jul 22, 2011

  16. Onde posso receber tratamento para a síndrome de asperger aqui no Rio de Janeiro! URGENTE!!!!!!!!

    By Evandro on Jul 27, 2011

  17. Olá! Evandro
    Achei estes endereços na net, aí no Rio
    Eles escreveram um artigo sobre a Síndrome de Asperger. Quem sabe possam te ajudar.

    José Maria Aranha Fonseca; josearanhaa@yahoo.com.br
    Ana Luiza Morais Campos;
    José Ramón Rodriguez Arras López

    Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Escola de Medicina e Cirurgia (EMC). Hospital Universitário Gaffrée e Guinle (HUGG). Departamento de Medicina Especializada. Disciplina de Psiquiatria. Serviço de Psiquiatria

    Boa sorte.

    By Persis on Jul 31, 2011

  18. ola tenho um filho de 14 anos quando ele tinha 7 foi dado o diagnosticaa de sindrome de asperger eu fiquei desesperada mais agara estou bem meu filho e o melhor presente de Deus ele cada dia q passa fica mais proximo da realidade, nao e facil mais com fe a gente consegui , a ele nao toma nenhum medicamento nao.

    By crfistina on Aug 7, 2011

  19. Oi cintia tenho acho a terapia a melhor forma para conseguir resultados positivos,e uma luta constante,mas o principal e voce compreender que seu filho e diferente,sendo assim,tentar aceitar a maneira dele ser ,trata-lo com muita paciencia,amor,carinho e principalmente Respeito,assim ele vai saber que e aceito e vai querer corresponder esse amor tentando agir de maneira mais sociavel e integrada.Eles sao muito doceis e ingenuos defenda sempre seu filho o mundo para eles ja e bastante cruel .boa sorte.Deborah

    By Deborah on Aug 19, 2011

  20. Olá Persis
    Descobri há pouco tempo que, também possuo o Síndrome de Asperger. Gostoria de saber em quais sintomas, mais precisamente o medicamento indicado, atenua nos sintomas dos asper ? Fico grata por poder expor o problema abertamente, pois sinto que é pouco estudado e estou sofrendo por me sentir diferente.

    By Rosana on Aug 20, 2011

  21. Olá Persis

    Acabei de ler a bula do medicamento, e gostei muito, me parece muito indicado para o meu caso. Agradeço as dicas apresentadas neste site, é uma luz para esta difícil caminhada.

    By Rosana on Aug 21, 2011

  22. Bom dia. Meu filho tem 5 anos(vai fazer 6 em setembro) e ainda não fala bem, tem dificuldade de interagir com outra crianças, falta melhor concentração e hiperativo. Levei ele em dois neuros e fezzz outros exames e eles me disseram para ficar tranquilo, pois meu filho não tem nada de autista, e nen comentaram nada a respeito de Asperger. Ele faz seções de psicologa, terapia e fonoaudiologia.Ele já teve grande evolução na fala, melhorou a interação, mais acho que este processo esta lento. Alguem tem uma dica para melhorar o tratamento de meu filho

    By Ricardo Correa Dantas on Aug 22, 2011

  23. Olá! Rosana.
    Depois que descobri ser ‘aspie’, que é como nos chamam, cheguei à conclusão de que a melhor maneira da gente se tratar não é tomando remédios pelo resto da vida, mas adquirindo consciência do nosso estado, compreendendo, a nós e a todos com quem convivemos no presente e no passado, entendendo o porquê de certas atitudes nossas e dos outros para conosco e, sobretudo, nos perdoando a nós mesmos e aos outros que nos maltrataram em algum momento da vida.
    Porque não sabíamos de nosso estado, agimos assim ou assado e podemos ter magoado alguém; porque não sabiam de nosso estado, agiram conosco desta ou daquela forma nos magoando.
    Sofremos com isso, eu bem sei, mas não temos culpa, assim como não as tem todos os que nos criticaram por sermos diferentes. Ninguém sabia que éramos aspie, nem nós mesmos.
    Eu sei que tal atitude faz parte do quadro da síndrome e passo a me policiar melhor, e com isso aprendo a controlá-la. Não luto mais contra ela. Eu sou assim. Me aceito como sou e peço que me aceitem dessa forma.
    O Hydergine me fez bem, enquanto eu não sabia que era aspie. Depois que descobri, que tomei consciência de meu estado, não foi mais necessário.
    Entretanto, acho que em certos casos, principalmente das crianças que não têm plena consciência e nem seu controle emocional totalmente desenvolvido, ele é útil, sim. Afinal, é um remédio para distúrbios de comportamento, como é esta Síndrome. A Cristina e a Déborah em comentários acima deram boas dicas para o tratamento de crianças: muito amor, paciência e compreensão com o estado delas e, principalmente, muita conversa.
    Só pra você ver, Deus me contemplou com mais outra síndrome: A SPI, Síndrome das Pernas Inquietas, que pulam sozinhas como se tivessem vida própria. Também não tem cura. Aprendi a conviver com ela.
    Desejo boa sorte pra você.

    By Persis on Aug 22, 2011

  24. Tenho um cunhado pediatra que trata pacientes hiperativos com… café.

    By Persis on Aug 22, 2011

  25. Bom dia, tenho 31 anos e a pouco conhecendo sobre a s. asperger, percebi que muitos dos sintomas se encaixam comigo, gostaria de saber qual o melhor especialista para lidar com isso, se e psicanalise, psiquiatra…. e se existe centros especializados gratuitos. Agradeço desde ja a atenção

    By Guilherme on Aug 27, 2011

  26. Olá Persis

    Na verdade o remédio é mais por curiosidade, pode ser que faça diferença, mas como você disse que não toma mais, depois da “descoberta”; repensarei com mais cautela. Na verdade sempre fui contra tomar remédios desde que passei a tentar compreentender o funcionamento do corpo humano. Hoje estou com 45 anos e mais aberta a medicamentos farmacológicos e conhecimentos da medicina ocidental. Aos 28, quando tentava me entender e para amenizar todos os problemas que tive, entre eles a depressão e vários problemas físicos, optei por praticar atividades físicas, com determinação, muita disciplina e a tornar parte da minha rotina diária. E isso foi o que me ajudou muito, em todos os sentidos: após o início das atividades físicas, mantenho os sintomas da depressão bem controladas, pois o ganho de serotonina faz com que os problemas tenham as suas verdadeiras dimensões e não um “tempestade em um copo d’agua”. Aprendi com o andar de bike, a concentração e o foco. Fora as outras coisas que vem acompanhado como ganho em termos de saúde física. Até hoje tento manter a rotina…com leveza. Continuo tentando me conhecer e a me aceitar como sou, pois cometo muitos erros com as pessoas que convivo. Sempre peço desculpas quando tomo consciência e assim vou levando a vida! Sou grata por ter este espaço, poder partilhar com vocês esta aprendizagem e receber a atenção por este pedido de socorro!
    Boa Sorte a todos nesta difícil travessia.

    By Rosana on Sep 4, 2011

  27. Olá Rosana.
    Quanta coisa a gente aprende trocando experiências, não?!
    O site – http://br.guiainfantil.com/asperger.html – descreve os principais sintomas da síndrome. Curiosamente nada diz sobre as reações temperamentais típicas do desequilíbrio nervoso que acompanha o quadro. Eu procuro me policiar o tempo todo no que diz respeito a todos aqueles sintomas, sobretudo quanto à irritabilidade. Se me sinto irritado por algo e pressinto que vou ter uma reação de enfrentamento, sempre paro nos meus passos, me seguro um pouco, procuro ponderar e me lembrar da minha condição aspie, e entender que esta reação, devido à síndrome, pode não ser o melhor a ser feito naquele momento. Um descuido em tais situações pode custar muito caro. O outro não sabe que a gente é aspie, e, mesmo se soubesse, quem garante que ele levaria isto em consideração? Também desconfio do meu raciocínio. Se antes eu tinha certeza de algo, hoje já não confio tanto. Na verdade, como sei que não sou uma pessoa 100% equilibrada, fico sempre com um pé atrás. Pedir desculpas é o que mais faço. Os outros não sabem da nossa condição e nos veem como pessoas normais. Academias de musculação e ginástica são mesmo ótimas, mas é preciso muita disciplina, o que não é o meu forte. O duro mesmo é aguentar a música alta que tocam. Quanto à depressão, procuro ver o lado bom da vida. Comparo as minhas condições com as de outros em situação pior e agradeço a Deus. Sempre que recebo uma crítica, eu brinco: “Faz parte do quadro!”. E assim vou levando a vida fazendo da síndrome um “meio de vida”. Se a qualquer tempo eu perceber que estou perdendo o controle de meus atos, provavelmente voltarei o tomar o remédio.

    By Persis on Sep 4, 2011

  28. Olá Persis
    Que bom que apesar do “quadro” você consegue viver com leveza e bom humor! Os seus comentários me fizeram lembrar que há muito, tive uns grandes eventos de desequilíbrio nervoso, mais por não saber qual deveria ser a reação correta naquele instante, falta de: criatividade, de humor, palavras corretas a usarem naquele momento da “reação ao enfrentamento”. É um verdadeiro quebra-cabeça, um desafio! Tento colecionar respostas prontas para situações semelhantes que porventura aconteça novamente. Quanto ao raciocínio e mesmo a interpretação das instruções que recebo, procuro sempre confirmar a minha opinião com pessoas próximas, pois também não confio na minha interpretação. O consolo é que nem os neurotípicos são 100% equilibrados. Também não gosto de músicas altas e nem frequento academias, não faz muito sentido ficar levantando peso sem produzir algo. As minhas atividades físicas são solitárias como corrida e ás vezes uso bike como meio de transporte. Acho que perco o controle para os meus instintos e certamente me coloco em situaçõs embaraçosas. Hoje bem menos, pois a dor é o grande mestre. E assim vou tentando sobreviver entre os neurotípicos, mesmo porque admiro e adoro as pessoas que me cercam! Apesar de também gostar da minha solidão.

    By Rosana on Sep 11, 2011

  29. olá meu filho é tem a sindrome de asperger e toma carbamazepina,e os medicos indentificam a doença autismo,mas ele tem um comportamento diferente pois ele gosta de viajar de aviaõ,de onibus,gosta de esporte,mas ate agora nao aprendeu a ler,ele é comunicativo e repete muito os mesmos filmes e da janelea do apto ele fala desconversdo,talves por ele ser alemao,mas ele é docil,adora jogos,vai a escola todos os dias,mesmo q ele nao aprende a ler ou escrever ,mas sinto q dentro dele existe algo em comum o mundo dele e o nosso.eu sei q ele aprende alguma coisa nao m sinto uma mae triste é o meu unico filho,nasceu na alemanha e faz tratamento em juiz de fora MG.Queria saber se ele tem q tomar remedio,ou nao.E se tem q tomar qual o remedio aconselhavel.O q m deixa triste porq na alemanha nao disseram que ele tem essa doença e porq lá nao deram o remedio.Nao entendo qual a diferença entre o Brasil e Alemanha.Se estudamos as obras dos autores alemaõ.Só quero ajudar meu filho e provar para o mundo que temos que ajudar essas crianças e q tambem naõ sou a unica mae q tenho problemas.O meu caso é mais dificil,uma criança que nao fala a nossa lingua e dpois ter q aprende-la.isso é que eu gostaria de saber que tipo de doença que tem o meu filho.asperger ,autismo,ou outros preciso de ajuda…

    By ualan de lima ferreira on Sep 12, 2011

  30. olá meu nome é aline tenho um filho de 10 anos q aparenta ter essa sindrome se alguem puder me ajudar serei grata obrigada.

    By aline on Sep 28, 2011

  31. Tenho um filho de 4 anos, a um mes diagnosticado com sindrome de asperger, se algem puder me indicar uma nutricionista nesta area de autismo, pois ele nao come comida já vai pra um ano, moro em Sao Paulo.

    By Rosana on Oct 1, 2011

  32. oi gente li os comentarios de vcs e achei otimo tirei muitas duvidas tenho um filho de 4 anos que sofre com a sindrome de asperger eu ate aceito numa boa ja tinha notado q ele era diferente o q eu não aceito são os remedios gostaria de saber se alguem ja deu tofranil a seu filho e qual foi a reação pois não me sinto segura e dar remedios ao meu filho creio q deus e os medicos dos medicos e ele vai ajudar meu filho.

    By gleice on Oct 5, 2011

  33. Oi meu sobrinho está passando com uma psicologa e ela suspeita que tenha asperge, gostaria de saber que especialista pode dar um diagnostico certo. por favor me respondam. deis de já Obrigada

    By Claudia Bonner on Oct 5, 2011

  34. Olá, meu filho tem 6 anos faz acompanhamento com fonoaudiologa por causa da dificuldade na fala, e tb com neurologista pelo fato de ter tido convulções que começou com 15 dias de nascimento, ja tomou gardenal do 1 ano aos 3, dps parou , teve problemas e o medico começou com carbamazepina e neuleptil. Dps de ler sobre a sind. de asperger eu identifiquei mto os sintomas com o meu filho e gostaria de saber o que fazer,procurar um psicologo,ou um médico,meu maior medo é de receitarem remédios que acabem dopando meu filho..ou deixando alguma sequela ou algum tipo de dependencia.
    Se vc tiver como me dar uma luz de como iniciar, do que fazer e quem procurar te agradeço mto.OBRIGADA!!

    By Aline on Oct 7, 2011

  35. sou apenas uma academica do curso de pedagogia. Mas gostaria de dizer aos pais que buscam medicamentos para as sindromes de seus filhos: busqume a literatura, leiam profundamente e percebam que as crianças, os adolescentes, precisam de uma atenção maior. respeitar os momentos em que deseja está a sós. É fundamental. Respeitas que eles não gostam que mudem sua rotina. Não gostam de estar entre pessoas que não sejam a familia. dialogar com os professores sobre as sindromes e importante. Buscar apoio não remédios.
    os remédios tem contraindicações crueis. E virou febre no mundo. o melhor remédio é a compreenssão.

    By eliane on Oct 13, 2011

  36. Olá! Pessoal.

    Procurem na Net o livro de Marc Segar para download grátis entitulado:
    “Guia de Sobrevivência para Portadores da Síndrome de Asperger”.

    Abraços a todos.

    By Persis on Oct 15, 2011

  37. Bom, minha experiência com aspie ja vem há cinco anos, quando o neurologista sugeriu essa hipótese. Aconselho as pessoas a não ficar nos achismos, temos que procurar todos os recursos e diagnosticar com firmeza, para então partir para açoes mais direcionadas. Os especialistas a procurar são: neurologista, psiquiatra infantil, psicológos. Não há testes, nem exames que comprovem a síndrome. No caso do meu filho , tem 10 anos e há cinco muito temos feito para sua melhoria. Atualmente ele faz psicomotricidade, é acompanhado por psiquiatra infantil que lhe sugeriu medicação,(Trileptal-Oxcarbamazepina) não para a síndome, mas para as comobidades que a acompanham, que pode variar de paciente.No caso do meu filho, grande irritabilidade e algumas situações agressividade. O mais importante é acertar na conduta para melhorar sempre. Não aconselho colocar em escolar especiais, pois acho que as escolas”normais”, podem acrescentar grandes estímulos. Calro, que tudo isso deve ser avaliado em cada caso, no grau de dificuldades e ate nas comobidade de cada paciente. Tudo isso parece simples, mas foi um processo desde a descoberta, até ao estágio atual. Posso dizer que essas medidas trouxeram melhoras significativas, que a procura e a luta pela constante melhoria não pode parar.

    By carla on Oct 17, 2011

  38. olá sou professora e temho dois alunos do qual suspeito terem a sindrome de asperger, li sobre a sindrome e eles apresentam as mesmas caracteristicas. um tem 3 anos e o outro 4 anos.o de 3 não fala, só emite sons (gritos e estalos de lingua), o outro fala pouco, e frases usadas no dia a dia, tais como bom dia, quero fazer xixi, canta musicas na sala, mas ambos não se sociabiliza como as demais crianças da sua idade, que já formam turmas para brincar, desenvolvem jogos e brincadeiras sozinhos. o de 4 anos escreve apartir do modelos (copias, ao fazer desenho livre ele copia os cartazes que estam expostos na sala), já o de 3 adora desenhar bolinhas explora todo o espaço do papel com suas bolinhas. já observo eles a nove meses, mas não sei como abordar a mãe, já pedi para ambas procurar um psicologo para fazer avaliação, e ambas me disseram que procuraram e que eles afirmaram esta tudo bem, que ainda e cedo para traçar um diagnostico. será. ou elas estam fugindo.

    By karla macedo on Nov 14, 2011

  39. Meu filho tem 18 anos ,foi diagnosticado como asperger, li sobre o assunto e tem muito dos sintomas. A maior dificuldade que está encontrando é arrumar namorada e fazer amigos. Tem baixo autoestima, é inteligente mas tem dificludade nos relacionamentos. Está inseguro e no momento passa por um processo depressivo. Este site está me ajudando muito. Agradeço a todos. Também fica agressivo,depois pede desculpas e quer que o abrace.

    By alvacir dietrich on Nov 20, 2011

  40. Ola

    Tenho um sobrinho com 19 anos e foi diagnosticado com Asperger. Ele ja passou por váris remedios, mas nada que nao o fizesse ficar dopado. Hj ele esta tendo crises de repeticao e agressao, acride a sí mesmo e se deixar ao pai dele. No momento ele toma Topiramato, clozapina e bromazepam??? Será q esses remedios sao mesmo para Asperger?? Alguem conhece um especialista em Jovens com autismo aqui em SC, mais no sul especificamente??? Não queria de novo consultar com um psiquiatra que nao tivesse dominio do assunto.
    Obrigada

    By Vera Cristina on Nov 29, 2011

  41. Olá Persis e Rosana,

    Há algum tempo desconfiava da minha condição, e consciente de que algo não estava certo decidi me ajudar, já que por mais que eu procurasse ajuda dos mais próximos, muitas vezes não era compreendida. Nesse fórum e me sinto mais aliviada por encontrar informações sobre “isso” que me aflige tanto. Obrigada aos dois pelas dicas e por mostrar que sim, é possível viver e se assumir.

    By Erica on Dec 6, 2011

  42. obrigada

    By tina on Dec 12, 2011

  43. olá tenho uma menina linda de 6 anos , em casa ela é super nornal até começar as aulas ela não falava bem agora já esta falando tudo.
    Mas na escola ainda não fala, sindrome invasiva algo assim…estou tratando gostaria de saber algumas dicas como posso ajudar minha menina.

    By jo on Dec 13, 2011

  44. Boa Noite??Gostaria de perguntar qual medicamento p/ tratamento de sindrome de asparger não traz priapismo??? Meu filho tem 20 anos , completou o 2 grau com 16 anos , sabe inglês bem, traduz , lee, escuta musicas entendende toda a história da canção apenas de ouvido,tem perfeita locução e perfeita escrita tanto em inglês quanto português….e agora quando ele poderia estar estudando vem esse efeito q segundo os médicos e efeito da medicação e nem ele ,nem nós podemos viver com esse fantásma,,hj meu filho está internado no Hospital…p/ uma reavaliação….remédios como Haldol, neuliptil,rispiridona,acido volproico,fluoxetina, amplictil…estão produzindo efeitos colaterais em meu filho…ele não tem nenhuma outra doença …a não ser hernia de hiato…e esofagite……gostaria de saber o q pode ser feito…uma vez q ele está sendo atendido por urologistas e psiquiatras….mas ainda nenhum lado tem resposta sobre o q fazer p/ acabar com esse fantasma….Muito obrigada pela atenção….Andreia.

    By Andreia on Dec 13, 2011

  45. cintia com quem vc conseguiu a medicação com flora de bach?
    Sou de

    By Beatriz on Dec 20, 2011

  46. Vcs acham que o convívio familiar é um importante instrumento para auxiliar aqueles que tem a sindrome de asperger. sou militar e estou prestes a trocar primos, tios , irmão para morar com mulher e filho (SA) em outra cidade.Será que fará mal a ele.

    By claudio reis on Dec 22, 2011

  47. ola tenho um filho com 15 anos e so agora tivemos o diaguinostico de asperg ele não esta frequentando a escola por sofrer muito com bulim moramos em limeira sp gostaria muito que ele pudesse fazer parte da sociedade frequentar uma e ter uma vida normal dentro dos seus limites não sei como conceguir isso se alguem puder me ajudar agradeço por mim e por ele Silmara

    By silmara on Dec 26, 2011

  48. Olá tenho uma benção de 09 anos que é asperger,não temos maiores problemas a não ser na aprendizagem que é muito difícil e complexos pra ele.Há 05 faz terapia com a fonoaudióloga,neuropediatra,faz uso de valproato de sódio pois convulsiona as vezes e tb utiliza imipramina,para sua concentração.O segredo? Amor,compreensão,entendimento e acima de tudo Deus nos nossos corações e agradecer por ter sido escolhida! Boa sorte a todos! Estou aqui para o que for preciso!

    By Fernanda Mattos on Dec 29, 2011

  49. Tenho um filho com Síndrome de Asperger. Gostaria de saber mais sobre a indicação do Hydergine, pois nunca ouvi falar que essa medicação fosse usada para essa síndrome.
    Madalena

    By madalena on Jan 2, 2012

  50. Veja a bula em:

    medicinanet.com.br/bula/7696/hydergine_sro.htm

    e em

    bulas.med.br/bula/2856/hydergine.htm

    Atente para o que a bula diz sobre comportamento social (insociabilidade), estado emocional, irritabilidade, desempenho mental, dificuldades com as atividades do dia-a-dia e cuidados pessoais.
    Converse com seu clínico para presecrever a dosagem, se for o usá-lo.

    By Persis on Jan 13, 2012

  51. Olá Pessoal!

    Li os posts desse site e achei muito bom ver um pouco da história de cada um. Tenho um filho de 7 anos com sindrome de asperger. Quando meu filho tinha 2 anos percebi que ele em alguns momentos fazia movimentos repetitivos com as mãos, como se tivesse pensando em alguma coisa, não tomei nenhuma atitude pois achei que fosse um fato temporário. Perguntei para as Tias da creche e elas não percebiam nada de diferente no comportamento dele(ele andou e falou no tempo normal, nem precocemente e nem tardiamente). Aos 4 anos ele teve catapora, um mês após o nascimento do irmãozinho dele. Então tivemos que mandá-lo para casa da Avó até que ficasse bom da catapora. Lá na casa da Avó, ele ficava muito na frente da TV pois não podia pegar sol e nem ter contato com outras crianças, ficava muito ocioso e ancioso. A partir daí os movimentos repetitivos que antes eram só com as mãos passou a ser com os pés. Várias vezes ao dia ele ficava andando de um lado para o outro, balançando os braços, dando pulinho e emitindo sons. Ele faz isso por alguns minutos até a exaustão e geralmente quando está ocioso e/ou ancioso. Quando perguntamos porque ele faz isso, ele diz que tem muitas coisas na cabeça dele. Ah! vale lembrar que meu filho nessa época (4 anos) desenvolveu uma habilidade muito grande para o desenho. Desenha e tem conhecimento de carros, caminhões, aviões, trens…meios de transportes, em detalhes. Os desenhos dele são em perspectiva. Também tem muito interesse em máquinas de uma forma geral, principalmente as que fazem movimentos giratórios.
    Depois da catapora (quas 1 mês em casa), na volta para creche as Tias passaram a perceber uma diferença nele. Alguns momentos de inquietação, algumas vezes se isolava e então me indicaram uma psicopedagoga para fazer uma avaliação do meu filho. Levei, e ele fez 5 sessões e a psicopedagoga não consegui fechar, pois alguns pontos estavão “obscuros” para ela e pediu mais 3 sessões para nos passar o relatório final. A conclusão foi que existiam grandes chances dele ter sindrome de asperger. O QI dele é normal para uma criança de 4 anos, ele conversa muito bem, abraça e beija… porém ele tem estereotipias, conversa sem olhar nos olhos, se isola em alguns momentos, tende a falar coisas desconexas. A psicopedagoga nos encaminhou para psiquiatra e psicólogo. Na psiquiatra, Eu e meu marido relatamos tudo de novo e ela conversou uns 5 minutos com meu filho, após, pediu para voltarmos na outra semana. Ao voltarmos, a psiquiatra, nos recebeu com uma apresentação em powerpoint sobre o autismo e seus espectros. Ou seja, ela falou que o nosso filho é autista, mais precisamente no espectro da Sindrome de Asperger e que ele futuramemte na fase escolar iria passar por algumas dificuldades de aprendizado e de relacionamento, que ele precisava de um acompanhamento de psicologo.
    Aos 6 anos ele entrou na 1º ano, as aulas começaram e no mês seguinte fomos chamados na escola, pois meu filho não conseguia se manter sentado durante a aula, só fazia as atividades com a professora do lado. Voltamos na psiquiatra e então ela receitou ritalina para ele (5mg). Nos primeiros dias de remédio, ele ficou muito sensível, chorava por qualquer coisa, mas depois foi melhorando. Ele passou a fazer as atividades de aula sozinho e terminar junto com os amiguinhos. Com a medicação ele não faz os movimentos repetitivos e consegue se manter concentrado no que está fazendo. Depois de 2 meses de uso da ritalina, a psiquiatra aumentou a dose para 10 mg. Ele terminou o 1º ano sabendo ler com interpretação de texto, escrever e criar pequenos textos, noções de somar e diminuir. Ele teve acompanhamento com psicologo durante todo o ano de 2011 (1 vez por semana). Esse ano a psicologa diminuiu para 1 sessão a cada 15 dias e no próximo semestre provavelmente ele terá auta. Meu filho é uma criança calma, obediente, aceita regras na maioria das vezes. Ele tem uns momentos de irritabilidade, mas sem ser violento, é uma criança maravilhosa.

    Fica aí minha experiência.
    Abraços a todos.
    Keli

    By Keli on Jan 25, 2012

  52. Boa Tarde, tenho uma criança que acabou de completar 03 aninhos, ele começou a querer falar agora, isso porque ele faz acompanhamento com a fono. por nos sentirmo que ele é um pouco diferente, procuramos um neuro pediatra e depois de passar por 03 neuros o meu filho foi diagnosticado com sindrome de asperger, e o medico receitou Risperdal para ele e disse que seria um erro eu não dar o mesmo para o meu filho, mas tenho medo e não acho que ele precise de um remedio tão forte, e sim de algo que possa ajudar na concentração e aprendizado. Ele não é uma criança agressiva, ele frequenta escolinha em meio periodo. Se alguem puder me ajudar, por favor me escreva… Estou muito confusa, é td muito novo para mim.

    By Gilmara on Feb 24, 2012

  53. Bom, ver e ler o que vejo e leio não me faz sentir mal, ao contrário soa como um certo alívio saber que ao contrário de pânico começo a entender as respostas de minhas próprias perguntas mudas. Seria bom conhecer algum tratamento e só de ler tudo o que li, principalmente sobre o garoto (segundo acima-dia 24/2/12) faz-me sentir uma certa alegria em ver que ele tem – ou terá – tratamento a tempo e modo. eu não tive mas pode ser que ainda haja algum tempo, isso verei, até mesmo pelo que escrevo aqui. Obrigado.

    By Ricardo on Mar 21, 2012

  54. OLÁ, TENHO UM FILHO DE 13 ANOS,PRIMEIRAMENTE DIAGNOSTICADO COM TDAH COM 5 ANOS, MAS DESDE OS 2 ANOS JÁ OBSERVÁVAMOS SEU COMPORTAMENTO INADEQUADO. SEU TRATAMENTO SE BASEIA EM 2 MG DE RESPIRIDONA E RITALINA 10MG. SEU RESULTADO NO COLÉGIO NÃO É SATISFATÓRIO. ELE SE NEGA A FAZER ATIVIDADES PROPOSTAS PELO PROFESSOR. ESQUECE DE QUALQUER OBRIGAÇÃO QUE TENHA ESFORÇO ESCRITO OU INICIATIVA PARA TRABALHOS. NÃO SE PREOCUPA EM TIRAR BOAS NOTAS, MAS QUANDO SÃO RUINS FICA DECEPCIONADO. JÁ FOMOS EM PSICOPEDAGOGA, PSICOLOGO, NEURO E PSIQUIATRA. O QUE MAIS POSSO FAZER?

    By karina on Mar 21, 2012

  55. ESQUECI DE DIZER QUE HOJE MEU FILHO É DIAGNOSTICADO S.A, SÍNDROME DE ASPERGER.

    By karina on Mar 21, 2012

  56. Li vários depoimentos, e gostaria muito de poder ajudar, orientar, enfim qualquer coisa que possa ser positivo pra qualquer pai,mãe ou portador de asperger. Tenho um filho de 12 anos com a sindrome, e hoje está bem, após MUITAS histórias. Penso que um psiquiatra é sempre o mais indicado para fazer esse diagnóstico, no entanto, nem todos acertam. Não tem cura, mas tem tratamento para melhorar sintomas, que podem ser inúmeros. A idéia é diminuir sintomas, e aprender a aceitar esse jeito de ser diferente do padrão. Tenho muito interesse em trocar informaçóes, então deixo meu e-mail para quem também tiver interesse: raffamfg@ig.com.br

    By Raffa on Mar 28, 2012

  57. Oi…Persis…nossa achei vc tão desenvolto com as palavras…tão consciente…q fiquei muito feliz…tenho um bb d 2 anos e meio…e com 1 ano descobri que ele tinha Asperger…em casa mesmo notei a diferença…e imaginei q ele tinha Altismo…pois não conhecia Asperger…resolvi procurar os médicos…e descobri através deles o Asperger…tenho muita curiosidade sobre a vida adulta dele…sobre de possibilidades de relacionamentos…perdão mas vc namora?…se não quiser responder não tem problema. Parabéns pela sua capacidade de conversar com outros sobre esse assunto. Deus te abençõe muito…e que possa concretizar teus sonhos…felicidades.

    By Ângela on Apr 17, 2012

  58. Olá! Pessoal.
    Eis uma reportagem interessante.
    As futuras mamães devem tomar cuidado com estes produtos.

    26/04/2012
    Publicada lista de 10 produtos químicos suspeitos de causar autismo
    Redação do Diário da Saúde

    Químicos tóxicos suspeitos

    Um grupo internacional de cientistas divulgou hoje um manifesto pedindo mais pesquisas para identificar as possíveis causas ambientais do autismo e outras desordens do desenvolvimento neurológico em crianças.

    O documento também apresenta uma lista de 10 produtos químicos suspeitos, aqueles que são considerados altamente susceptíveis de contribuir para essas condições.

    O documento foi publicado juntamente com quatro artigos científicos – cada um sugerindo uma ligação entre produtos químicos tóxicos e autismo – na revista científica Environmental Health Perspectives

    Causas ambientais das desordens neurológicas

    A Academia Nacional de Ciências dos EUA afirma que 3% de todos os transtornos neurocomportamentais em crianças, incluindo o transtorno do espectro do autismo (ASD) e déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), são causados por substâncias tóxicas no meio ambiente, e que outros 25% são causados por interações entre fatores ambientais e genéticos.

    Mas as causas ambientais e seus mecanismos de ação no organismo ainda não são conhecidos.

    Os pesquisadores elaboraram uma lista de 10 produtos químicos encontrados em produtos de consumo que são suspeitos de contribuir para a deficiência do autismo e de aprendizagem, de forma a orientar uma estratégia de pesquisas para descobrir causas ambientais potencialmente evitáveis.

    Produtos químicos suspeitos

    Os dez produtos químicos são:

    1. Chumbo
    2. Metilmercúrio
    3. PCBs – Bifenilas Policloradas
    4. Inseticidas ou pesticidas organofosforados
    5. Inseticidas ou pesticidas organoclorados
    6. Desreguladores endócrinos
    7. Gases do escapamento de automóveis
    8. Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos
    9. Antichamas bromados
    10. Compostos perfluorados

    O primeiro dos quatro artigos, escrito por uma equipe da Universidade de Wisconsin, encontrou indícios que ligam fumar durante a gravidez com a desordem de Asperger e outras formas de autismo de alto grau.

    Dois artigos, escritos por pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Davis, mostram que os PCBs (bifenilas policloradas) atrapalham as primeiras etapas do desenvolvimento cerebral.

    O último artigo, da mesma universidade, sugere uma ligação entre a exposição a pesticidas e o autismo.

    By Persis on Apr 27, 2012

  59. Olá! Ângela. Olá! Pessoal
    Não se preocupem muito com a vida adulta de suas crianças.
    Se for Asperger, desde que com tratamento adequado, bem orientadas e conscientes desta condição, elas terão boas chances de serem felizes, ter uma vida normal, namorar, casar e educar filhos, melhor até do que muitos neurotípicos.
    Nós, que somos aspies e não sabíamos da nossa condição, conseguimos sobreviver relativamente bem, embora sofrendo um pouco de, digamos… desconforto social. Acredito que as crianças de hoje, educadas sabendo-se portadoras da Síndrome de Asperger e aprendendo a conviver com ela estarão em situação bem melhor que a nossa.
    Os comentários deste site trazem ótima orientação e bons cuidados que podemos tomar para conviver razoavelmente com este problema.
    É isso!

    By Persis on Apr 27, 2012

  60. Olá,tenho um filho de 15 anos é até hoje busco um diagnóstico preciso sobre o que ele tem. Ele sempre enfrentou dificuldades em seguir regras na escola, não copia praticamente nada em sala de aula, não consegue fazer amizades, não sabe se expressar como os garotos da sua idade, os colegas acham ele estranho e ele nunca é convidado para nada. Ele toma rispiridona de 2mg a +ou- 3 anos para controlar a impulsividade, mas não vejo muito progresso. Ele fala muito em se isolar e sofremos muito com toda essa situação, será que tem Asperger? Alguém pode me ajudar, minha cidade é pequena e não tem nada onde possamos nos guiar, moramos no Rio Grande do Sul.

    By Lorena on May 10, 2012

  61. Olá! Lorena.
    Seja benvinda ao grupo.
    Aplique no seu filho o teste encontrado no site
    http://www.rdos.net/br/
    e vc já terá uma boa idéia se ele é ou não portador da Sindrome de Asperger.
    Se for, leia com atenção os comentários do pessoal acima que tem muita coisa boa.
    Baixe o “Guia de Sobrevivência para Portadores da Síndrome de Asperger” em
    http://www.mundoasperger.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=68:guia-de-sobrevivencia-para-portadores-da-sindrome-de-asperger&catid=37:livros&Itemid=54
    Lendo-o vc entenderá melhor o que é ser “aspie”, características de seu comportamento e orientação de como proceder.
    Mas não deixe de procurar orientação presencial com algum profissional especialista nesta área, seja medico, psicólogo, etc.
    Se não for asperger… sinto muito, mas terá que procurar outra orientação.
    Boa sorte.

    By Persis on May 11, 2012

  62. Nos ajudem por favor.

    Sou a caçula de três irmãos e tenho 27 anos. TEnho um irmão de 31 anos, ele sempre teve um comportamento diferente, desde a infância. Quando eramos crianças ele nunca foi agressivo, mas sempre se irritou com facilidade (e por isso,nos deixava irritados tbm).Desde muito pequeno, cerca de 3 anos de idade,tinha fascínio por trem, sabia tudo sobre eles e os desenhava perfeitamente.

    Meu irmão sempre teve dificuldade pra aceitar contato físico, Não gosta de abraços e beijos e demonstra um comportamento assexuado.

    Com o passar do tempo a escola se tornou uma tortura pra ele, porque ele não queria interagir com outras pessoas, e dizia que a escola só ensinava coisas inúteis. O seu interesse estava totalmente voltado para o desenho, esculturas em isopor, video game e eletrônica. Ele aprendeu tudo sozinho,pedia pra nossa mãe comprar revistas de eletrônica e com grande facilidade montava circuitos, braços mecânicos e por aí vai, sempre desenhou muito bem e conseguia transformar um isopor ou um pedaço de arame em incríveis robôs ou animais.

    Infelizmente, durante nossa infância e adolescência não tinhamos estabilidade familiar e condiçôes pra buscar um diagnóstico e um acompanhamento médico pra ele. Na verdade, nossa mãe nunca aceitou q ele era diferente, ela sempre o colocou em uma redoma de vidro.

    Hoje meu irmão tem 31 anos, sua vida social se resume em ir para o trabalho, voltar para casa, só dorme de madrugada e por isso tem dificuldade pra ir trabalhar de manhã e só sai de casa para ir em festinhas da família, ainda assim ele prefere sentar em um lugar mais sossegado, sem muita gente ou barulho.SEu grande interesse continua sendo video game, a eletrônica e a robótica, ele realmente demonstra ser genial nessas áreas de conhecimento. O que mais me preocupa é o fato dele ter se tornado um adulto visivelmente triste. Já faz um tempo que ele vive com música alta no ouvido, praticamente 24 horas por dia e há um tempo atrás descobrimos q ele saia de casa pra trabalhar com um óculos escuro que ele colou uma fita por trás da lente pra diminuir a sua visão. Ele não quer ver ou ouvir o que está a sua volta. Tivemos que pegar no pé dele pra que ele abandonasse o óculos. Mas a música 24 horas no ouvido não teve jeito.

    Eu e minha irmã estávamos pesquisando sobre autismo na internet, porque acreditávamos que ele tivesse um grau leve de autismo, então descobrimos a SÍNDROME DE ASPERGER e vimos que nosso irmão se encaixa perfeitamente em seus sintomas.

    Sei que pra uma pessoa com Asperger se desenvolver de forma sadia precisa ser diagnosticado até os 7 anos. Mas queremos descobrir um bom médico para tratá-lo e nos ensinar a ajudá-lo, porque acreditamos que ele já desenvolveu uma depressão, até por seu isolamento.

    Peço a ajuda de todos os pais e médicos. Precisamos de uma direção pra saber por onde começar, ainda que tardiamente.

    By Bruna on May 19, 2012

  63. Olá! Bruna.
    Primeiro, com muito tato, convencê-lo a procurar um psicoterapeuta ou outro profissional da área. Depois, se confirmada a suspeita de Asperger, além do tratamento prescrito pelo profissional, conversar bastante com ele sobre a síndrome. Quanto mais ele se informar sobre o assunto, melhor vai conhecer a si próprio, melhor compreenderá o porquê de suas reações e atitudes e melhor aprenderá a conviver com o problema.
    Leia os comentários acima.
    Boa sorte.

    By Persis on May 19, 2012

  64. Boa noite,
    Acho que meu filho de 6 anos tem a sindrome de asperger, pois se enquadra em muitas características. Alguém poderia me indicar um bom profissional em Curitiba para que eu possa procurar um diagnostico e tratamento adequado. Atualmente está com acompanhamento psicologico e o diagnóstico é de ansiedade e comportamento obsessivo-complulsivo, mas pelo que tenho lido poucos profissionais sabem fazer um diagnóstico adequado. Além das brincadeiras e interesses repetitivos, fica muito transtornado quando algo sai da rotina e tem muita inabilidade física. Me ajudem!

    By Luciana on May 30, 2012

  65. Olá! Luciana e pessoal de Curitiba.
    Pesquisando pela internet encontrei estes endereços de profissionais que tratam de aspies em suas respectivas áreas (fono, odonto, psico).
    Espero que possam ajudar.
    Desejo boa sorte a todos.

    JOÃO ARTUR BORGES WINKELMANN (TEP, PIA)
    Rua Emiliano Perneta, 680 cjto 1801 – Centro
    Curitiba – PR
    CEP: 80420-080
    Telefone(s): (41) 233 5800 – (41) 9974 4117 – Fax: (41) 224 8316
    E-mail: jawinkel@uol.com.br

    GUSTAVO MANOEL SCHIER DÓRIA (TEP)
    Av. Cândido de Abreu, 526/306 – Torre B – Centro Cívico
    Curitiba – PR
    CEP: 80530-000
    Telefone(s): (41) 253 0022
    E-mail: gustavodoria@brturbo.com

    Amanda de Castro Leite Gans — 30/6/2009
    Fonoaudiólogo – 9604 – CRFa-PR
    E-mail: amanda.gans@yahoomail.com
    Tríade Espaço Terápêutico
    Alto da XV , Curitiba – Celular: 041-96663012
    Curriculo
    Sou fonoaudióloga formada pela PUC-SP. Experiência em atendimentos em grupo ou individuais de crianças ou adultos autistas e com sindrome de asperger. Experiência no método TEACCH, PECS e son rise.

    Betina Haisi Ohlsen Martins — 6/3/2007
    Terapeuta Ocupacional – 117LTT-TO – Crefito 8
    Universidade Tuiuti do Parana
    Rua(Av.) Marcelino Champagnat , 505 , Merces , cep.:80710250 – Curitiba
    Telefone: (0xx)41-33085149 – Celular: 41-91988116
    Endereço: Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza nº. 1100 Apto 501 Bl 04
    Cidade: Curitiba Bairro: Mossunguê Estado: PR CEP: 81.200-100
    Telefone: (44) 9198-8116 – 9179-5149 – 3308-5149
    E-mail: betinaohlsen@yahoo.com.br

    Priscila Gonçalves dos Santos — 10/4/2011
    Psicólogo – 15899 – PSICOLOGIA
    E-mail: priscila@priscilasantos.com.br
    Clínica
    Rua(Av.) Visconde de Guarapuava , 3444 cj 601 , centro , CURITIBA
    Telefone: (0xx)41-84719369 – Celular: 41-99273996
    Site: http://www.priscilasantos.com.br
    Experiência em atendimentos psicológico e psicopedagógico de criaçnas e adultos autistas e com sindrome de asperger.
    Experiência no método TEACC e PECS.

    Vitório Bonacin Filho — 17/3/2002
    Odontólogo – 2925 – CRO
    E-mail: bonacin@crt.sol.com.br
    Clínica Odontológica para Pacientes Especiais
    Rua(Av.) Silva Jardim , 1347 , Rebolças , cep.:80250-200 – Curitiba
    Telefone: (0xx)41-232-6195 – fax: (0xx)41-232-6195

    By Persis on May 30, 2012

  66. Olá! Pessoal
    A página abaixo indicada traz uma relação de profissionais de diversas áreas, especializados em casos de autismo e síndrome de Asperger, de todo o Brasil, estado por estado.

    http://www.autismo-br.com.br/home/profissi.cgi

    Assim, fica mais fácil encontrar algum por perto.
    É isso aí!

    By Persis on May 30, 2012

  67. Aproveitando o embalo…
    Vejam este vídeo.

    http://www.webpremio.com/video/4tzHqUtUaA8/10-coisas-que-uma-crianca-com-sindrome-de-asperger-gostaria-que-voce-soubesse/

    By Persis on May 30, 2012

  68. Oi Bruna li seu post e me identifiquei muito pois tb tenho um irmão que acredito que tenha Síndrome de asperger, ele tem 33 anos e eutb estou a procura de um psicologo, se vc quizer podemos trocar esperiências e nos ajudar, meu e-mail é trisbc@hotmail.com, um abraço

    By Patricia on Jun 1, 2012

  69. Olá , acho que eu tenho síndrome de asperger, já li muito sobre o assunto e olhei vários filmes e documentários sobre o assunto e me identifiquei, além disso fiz vários testes na internet mais de uma vez o último que eu fiz foi esse Aspie-quiz queria saber se estes testes são confiavéis o resultado deu o seguinte
    Seu índice Aspie: 180 de 200
    Seu índice neurotípico (não autista): 19 de 200

    http://www.rdos.net/br/poly12b.php?p1=95&p2=92&p3=96&p4=95&p5=93&p6=92&p7=90&p8=89&p9=89&p10=61&p11=99&p12=68/img

    By Sheldon Cooper on Jun 3, 2012

  70. Olá pessoal,
    Tenho uma amiga que tem um filho de 35 anos que é aspie severo, quando o meu filho que hoje tem 20 anos foi diagnosticado ela me disse: -Não faça o que eu fiz, muitas vezes meu filho me jogou na cara que eu sempre o tratei como um “retardado mental” e por isso ele se tornou um “retardado” – por ser super protegido, por passar a vida em psicologos, neuros, espiritas, igrejas, etc. O filho dela adora animais e o quarto dele é lotado de cães e gatos (super bem tratados e limpos).
    Quando comecei a tratar meu filho (escola especial, remedios, etc) ela me aconselhou novamente e comecei a notar que ele se portava como um coitadinho, então abri mão – ele voltou para uma pequena escola normal onde terminou o ensino medio, cortei todos os medicamentos que o faziam agir feito um zumbi, e hoje ele cursa Multimia no ETEC – curso esse que vários rapazes do nosso predio tentaram entrar e não conseguiram. Ele tambem já fez vários cursos no Senac dentro dessa area de designer e multimia.
    Desde que asperger não tem cura e não duraremos para sempre, temos que soltar nossas crianças e prepará-las para o mundo (obviamente com cuidados e supervisão), esses remedios não curam, apenas dopam e lembrem-se que vários genios foram aspies e só chegaram ao topo pois não foram super protegidos pelos seus pais.
    Meu filho tambem vive trancado no quarto e não possui nenhuma vida social, quando começou a ir para a escola eu fazia mapinhas detalhados dos onibus que ele deveria tomar, quando ele se perdia me ligava e eu o ensinava a voltar para casa mas sempre o deixei se virar sozinho, ele tem seus afazeres em casa – me ajuda com o aspirador, na louça, a preparar refeições e eu sempre retribuo dizendo que ele é o melhor filho do mundo, que ele vai ser um homem feliz e realizado se realmente se dedicar em sua profissão e deixo claro que aspie ou não aspie as pessoas de sucesso são as que se dedicam e correm atráz do que querem. Agora ele está tendo aulas de auto-escola, já passou no teste escrito, está tendo bastante dificuldades no pratico, com certeza terá que fazer muitas aulas extras mas tivemos por algum tempo na geladeira uma gravura de um peixe no bico de uma gaivota escrito: Never, ever give-up! (nunca desista!) e é o que eu sempre digo a ele e à irmã de 17 anos que quis sempre estudar na mesma escola para ficar “de olho” no irmão mais velho.
    Ele possui vários amigos pela internet, conversa com eles e interage perfeitamente, possui até uma namoradinha “virtual” e trocam juras de amor…rsrsrsrsr. A supervisora do curso que ele frequenta me disse que ele está ficando mais participativo.
    Dentro de minha experiencia e da de minha amiga, concluo que asperger não é uma doença, apenas um padrão de comportamento que a sociedade considera “diferente”. Acredito que se tratarmos nossos aspies com amor e carinho mas tambem como uma pessoa normal, eles crescerão normal e serão felizes dentro de seu padrão de vida.
    Certa vez assisti a um programa no Discovery sobre um tratamento onde a criança passa aprox. 1 mes dentro de uma pequena casa cheia de brinquedos, jogos, eletronicos e toda comodidade – ela nunca fica sozinha mas de tempos em tempos a pessoa que a acompanha vai sendo trocada (pais, mães, tios, amigos, estranhos, etc) e cada um tem uma função previamente preparada pelo pesquisador (jogar, assistir tv, brincar, ler, conversar, limpar a casa, etc). Os resultados foram excelentes mas as crianças eram pequenas e ainda não vi nada parecido aqui no Brasil. Quem estiver em SP, aconselho a procurar o AMA, as psicologas de lá são maravilhosas e poderão ajudar bastante na educação de seus queridos aspies.
    É claro que o caminho deles é mais arduo, sofrerão com bullying, discriminação, etc mas cabe a nós incentiva-los a nunca desistir. Eles sofrerão bastante com problemas no trabalho mas sobreviverão!!!
    Cabe a nós darmos apoio, carinho, tratarmos como pessoas normais (com direitos, deveres e castigos) e sermos firmes quanto aos estudos e profissão – seja ela qual for!
    Boa sorte a todos.

    By Márcia on Jun 27, 2012

  71. Ola meu nome é Patrícia, tenho um sobrinho de 6 anos e o médico disse que ele é portador da sindrome de asperg, ele gosta de brincar sozinho, manda em tudo e todos, adora uma pirraça, é muito agitado, exagera em tudo, se cai e se machuca qndo alguem vê faz um escandalo, ele tem uma excelente memoria, mas não gosta de fazer as atividades escolares, fala demais, é carente, ciumento, estamos dando rsiperidona, mas tenho medo de um falso diagnostico.

    By Patricia on Jun 30, 2012

  72. Como é? Pessoal.
    Vamos animar esta página.
    Dêem noticias do que estão fazendo com seus aspies e falem dos progressos que estão conseguindo. Assim, estimulamos uns aos outros ao tempo em que também mostramos caminhos diferentes que podem ajudar a todos.
    É isso.

    By Persis on Jul 9, 2012

  73. persis, fiz o teste que tu recomendou e ele disse que eu era provavelmente aspie (portador da sindrome de asperger).

    By raul on Jul 10, 2012

  74. Olá pessoal, boa noite.

    Sou de Hortolândia (Região Metropolitana de Campinas) tenho um filho de 04 anos…Já o levei a vários especialistas (Neuropediatras, fonoaudiologas) mas ninguém me apresenta uma afirmativa… Mas pelos sintomas, tudo indica ser Asperger… Por favor, alguém pode me indicar um médico em Campinas/SP que possa nos ajudar?

    By Deby on Jul 12, 2012

  75. Olá! Deby.
    Tente a página:

    http://www.autismo-br.com.br/home/profissi.cgi

    É uma relação do Brasil inteiro de profissionais de várias áreas da saúde especializados em autismo.
    Depois de aberta a página, digite Ctrl F e preencha a janelinha de busca com a palavra CAMPINAS. Depois tecle em PRÓXIMA vai navegando pelos vários profissionais. Todos são relacionados a autismo. Eistem outros profissionais desta área também nas cidades perto de Campinas. É so digitar o nome das cidades na janelinha de busca.
    Boa sorte.

    By Persis on Jul 14, 2012

  76. Agradeço muito e de coração sua atenção Persis.
    Obrigada

    By Deby on Jul 15, 2012

  77. Meu filho tem 3 anos e 10 meses… Sempre foi muuuito agressivo com outras crianças… Gosta de brincar sozinho e fica horas na mesma brincadeira… Falou frases com 2 palavras após os 3 anos… Aos 2 anos entrou na escola e a escola notou que ele era “diferente” dos outros alunos e pediram para que procurássemos especialistas médicos… Fomos a neuro e agora ele está na psiquiatria… Está tomando risperidona 025mg 1 vez ao dia, acho que deu uma acalmada, ele esta menos agressivo com os pares. Antes ele tomou neuleptil que nada resolvel. Sei que meu filho será grande orgulho para mim eminha família! Deus tudo pode!

    By Ana DF on Jul 18, 2012

  78. Tenho 32 anos e sempre soube que havia algo de errado comigo. Somente hoje (22-07-2012) tomei conhecimento dessa síndrome. Tenho todos os indícios de possuir. Já fiz psicoterapia e tomei alguns medicamentos por 6 meses, mas percebi que estava fazendo mais mal que bem e o psiquiatra suspendeu o uso. No meu entender, sou infeliz, tenho meus motivos, reconheço que tenho minhas neuras, mas é algo mais forte. Não é ligar e desligar ou mudar o canal. É uma coisa, um sentimento de impotência enorme.

    By Marcos on Jul 22, 2012

  79. Numa sociedade tão ampla como a nossa, acho que o conceito de normalidade é muito restrito. Se olharmos bem de perto, mas bem de pertinho mesmo, veremos que ninguém é normal. Qualquer pessoa que tenha um comportamento atípico, é excluído da sociedade. As pessoas não suportam. E sempre foi e sempre será assim. É uma utopia a arte da aceitação e do respeito. Ninguém aceita nem respeita aquilo que foge do seu “padrão de normalidade”.

    By Marcos on Jul 22, 2012

  80. Boa Tarde, meu namorado é separado da esposa e tem um filho com sindrome de asperger, ele já está em idade escolar e pelo que ele me diz o menino teve melhora no aprendizado e comportamento, embora seja mais lento que as crianças da idade dele, 7 anos. Preciso de ajuda pois ele não sabe como falar com o filho sobre a separação, ele diz que o menino tem chorado muito sentindo falta dele, e tem medo que ele surte quando falar, mas ele nem sabe como, por favor me ajude

    By Aline on Jul 25, 2012

  81. Há alguns meses estive aqui dando depoimento sobre meu filho Pedro, prestes a completar 11 anos. Li os depoimentos aqui, e muitos ficam confusos e sem estímulo para lidar com a situação. Digo a todos que o diagnóstico e a aceitação já são um grande passo para o trabalho. Estimule seus filhos com tudo que puderem, levando em consideração suas preferencias, não rotulem, pq algumas coisas que fazem ou digam são as vezes imaturidade, e não pela síndrome. Não desistam das medicações porque elas funcionam, claro que com a devida orientação profissional, se não funcionar uma, outra pode dar certo. Quero dizer, que a busca é constante,seja de estímulos e medicação. A atenção e convívio com a família é fundamental. E o mais importante:NUNCA DESISTIR porque os bons resultados aparecerão. Aqui em Fortaleza, estamos criando uma Associação chamada ASCESA-Associação Cearense da Síndrome de Asperger, onde também nos fortalecemos, e trocamos experiências entre pais e escolas. Boa sorte á todos e que Deus nos fortaleça nessa MISSÂO.

    By carla on Jul 25, 2012

  82. Eu tenho essa merda e posso dizer que portadores de asperger dificilmente serão felizes algum dia quem discorda teria que ficar no meu lugar por um dia pra ver, asperger é muito mais do que diz no google ou no wikipédia é uma maldição que não desejo pra ninguém.

    By anderson on Jul 31, 2012

  83. Ola´,
    Meu filho de 23 anos está confirmando o diagnóstico de Asperger mas, não se interessa pelo assunto.Continua acusando o mundo e todas as pessoas são ruins.Não consegue fazer amizades, nem namorar.agora ele precisa conhecer as limitações e conviver com isso.Sem suspeitar de autismo ele teve vida normal,nunca tomou medicamentos. Está terminando a graduação, mora só por escolha dele; irrita-se muito por não conseguir interagir e sempre tem medo de ser mal interpretado ( sempre acontece).Li alguns depoimentos de Persis, gostaria de seu email para te contar mais detalhes pois te achei sensato e parece ter a idade do meu filho.

    By Maria Cristina Ferreira on Aug 20, 2012

  84. Sr./Sra. moderador/a.
    Pode informar à Maria Cristina Ferreira, pelo seu e-mail e não por esta coluna, o meu e-mail.
    Grato.

    By Persis on Aug 21, 2012

  85. Do site:
    http://www.amar-ela.com/sindrome-de-asperger/

    Características do portador da Síndrome de Asperger

    Interesses específicos ou preocupações com um tema em detrimento de outras actividades;
    Rituais ou comportamentos repetitivos;
    Peculiaridades na fala e na linguagem;
    Padrões de pensamento lógico/técnico extensivo (às vezes comparado com os traços de personalidade do personagem Spock de Jornada nas Estrelas);
    Comportamento socialmente e emocionalmente impróprio e problemas de interacção inter pessoal;
    Problemas com comunicação não-verbal;
    Transtornos motores, movimentos desajeitados e descoordenados.

    Sinais de Alerta
    1. Dificuldade em ler as mensagens sociais e emocionais dos olhares – portadores de SA geralmente não olham nos olhos, e quando olham, não os conseguem “ler”.
    2. Interpretar literalmente – indivíduos com SA têm dificuldade em interpretar coloquialismos, ironia, gírias, sarcasmo e metáforas.
    3. Ser considerado rude e ofensivo – propensos a um comportamento egocêntrico, os Aspergers não captam indirectas e sinais de alertas de que seu comportamento é inadequado à situação social.
    4. Honestidade – portadores de Asperger são geralmente considerados “honestos demais” e têm dificuldade em enganar ou mentir, mesmo às custas de magoar alguém.
    5. Percepção de erros sociais – à medida que os Aspergers amadurecem e se tornam cientes de sua “cegueira emocional”, começam a temer cometer novos erros no comportamento social, e a autocrítica em relação a isso pode crescer a ponto de se tornar numa fobia.
    6. Paranóia – por causa da “cegueira emocional”, pessoas com SA têm problemas para distinguir a diferença entre as atitudes deliberadas ou casuais dos outros, o que por sua vez pode gerar uma paranóia.
    7. Lidar com conflitos – ser incapaz de entender outros pontos de vista pode levar a inflexibilidade e a uma incapacidade de negociar soluções de conflitos. Uma vez que o conflito se resolva, o remorso pode não ser evidente.
    8. Consciência de magoar os outros – uma falta de empatia em geral leva a comportamentos ofensivos ou insensíveis não-intencionais.
    9. Consolar os outros – como carecem de intuição sobre os sentimentos alheios, pessoas com SA têm pouca noção sobre como consolar alguém.
    10. Reconhecer sinais de enfado – a incapacidade de entender os interesses alheios pode levar Aspergers a serem bastante desatentos e geralmente não percebem quando o seu interlocutor está entediado ou desinteressado.
    11. Introspecção e auto-consciência – os indivíduos com SA têm dificuldade de entender os seus próprios sentimentos ou o seu impacto nos sentimentos alheios.
    12. Vestuário e higiene pessoal – pessoas com SA tendem a ser menos afectadas pela pressão dos semelhantes do que outras. Como resultado, geralmente fazem tudo da maneira que acham mais confortável, sem se importar com a opinião alheia. Isto é válido principalmente em relação à forma como se vestem e aos cuidados com a própria aparência.
    13. Amor e rancor – como os Aspergers reagem mais pragmaticamente do que emocionalmente, as suas expressões de afecto e rancor são em geral curtas e fracas.
    14. Compreensão de embaraço e passo em falso – apesar do fato de pessoas com SA terem compreensão intelectual de constrangimento e gafes, são incapazes de aplicar estes conceitos no nível emocional.
    15. Lidar com críticas – pessoas com SA sentem-se forçosamente compelidas a corrigir erros, mesmo quando são cometidos por pessoas em posição de autoridade, como um professor ou um chefe. Por isto, podem parecer imprudentemente ofensivos.
    15. Velocidade e qualidade do processamento das relações sociais – como respondem às interacções sociais com a razão e não com a intuição, os portadores de SA tendem a processar informações de relacionamento muito mais lentamente do que o normal, levando a pausas ou demoras desproporcionais e incómodas.
    16. Exaustão – quando um indivíduo com SA começa a entender o processo de abstracção, precisa treinar um esforço deliberado e repetitivo para processar informações de outra maneira. Isto muito frequentemente leva a exaustão mental.

    By Persis on Aug 25, 2012

  86. gostaria de ter contato com maes de filhos com as de 12 a 14 anos ,pois meu filho tem 14 e passo por tudo isso tbm ,li os comentarios e tudo ja passamos.gostaria de trocar duvidas e soluçoes com vcs ,obrigada

    By Risa on Sep 11, 2012

  87. Meu filho foi diagnosticado com SA aos 6 anos, aqui em fortaleza passamos por diversas clinicas e só agora depois de 1 ano na fila de espera consegui a TO e a Fono ainda esperando por psicologa, tem sido uma barra muito pesada, pq a escola não tem preparo para ajudá-lo, eu não sei o que fazer….´Tomara que essa ASCESA-Associação Cearense da Síndrome de Asperger seja criada logo, pra que dê assistencia as famílias que tem essas crianças especiais…

    By ioná on Sep 18, 2012

  88. Olá,

    Eu tenho um filho asperger com 11 anos. Ele foi diagnosticado aos 4. Ele faz uso de medicação. No começo ele tomou ritalina, o que foi realmente favorável no seu processo escolar. Já estava previsto que ele tomaria só por algum tempo, para que ele melhorasse sua concentração. Achei positivo, tomou por 6 meses. Tomou também a risperidona, até o mes de agosto, pois apresenta episódios de agressividade. Porém chegamos a uma dosagem alta e notamos que a risperidona não estava mais fazendo efeito. E ele começou a ficar bastante agressivo, a médica passou então o depakote, não deu certo. Ele piorou! Agora estamos com o fumarato de quetiapina. Ele melhorou, ainda tem alguns episódios agressivos, mas notamos que eles veem diminuindo. Acredito que a terapia cognitiva comportamental vai ajudá-lo bastante. As vezes, quando o vejo nesses colapsos me bate um medo, um desespero, medo do futuro dele. Ele já me agrediu, já agrediu pessoas na escola e sinto que as pessoas nos olham com raiva. Mas ele, é um amor de pessoa, muito carinhoso e sofre muito pois depois desses colapsos ele fica muito mal, arrependido e envergonhado.
    Acho que a medicação não o dopa, e sim controla sua impulsividade. Ele está numa fase hormonal difícil, creio que tudo estabilizará com o tempo. Mas acho que temos que ensiná-los sobre o mundo, as pessoas, temos que dar limites e tb respeitá-los em suas especificidades e acima de tudo ser pacientes e amá-los muito.

    Carol

    By Carol on Sep 22, 2012

  89. Escrevo para dizer que meu filho tem 19 anos e está trabalhando pela primeira vez num comitê político. Confesso que fiquei mais aprensiva queele.Após duas semanas teve um pequeno surto.Agora está tudo bem Acredito que o trabalho da neuropsicóloga está ajudando muito.Tem dias que está depressivo e outros mais alegr. Porém tem dia que chora muito. Acredito ainda que deve haver grau nessa sindrome, leve, médio etc.
    A maior dificuldade é arrumar namorada e relacionar-se.

    By alvacir dietrich on Sep 24, 2012

  90. Ola! gostaria de trocar informações com pais de crianças com asperger.

    By Cris on Oct 10, 2012

  91. Olá a todos!

    Meu filho Felipe de 11 anos foi diagnosticado como portador de Sindrome de Asperger em julho de 2010. Desde então ele vem sendo acompanhado por um psiquiatra e por uma terapeuta, usa medicação. Em casa ele não tem rompantes de agressividade (ele tem que seguir as regras e sabe que se as seguir pode ficar de castigo, sem alguma coisa do seu interesse), mas na escola eles ocorrem.

    Ontem fui chamada na escola um função disso, ele esta suspenso por uma semana e a diretora me comunicou que não aceitara renovação de matricula para o próximo ano. O pior e que ele gosta da escola e gosta de interagir com os colegas de lá.

    Ele se sente super culpado e esta triste com esta perspectiva. Alguém pode me orientar sobre como lidar com esses rompantes agressivos dele?

    Obrigada.

    By Ana Maria on Oct 12, 2012

  92. SOU ASPIE!!!

    Preciso me aceitar como tal, ter plena consciência do que seja ser portador da Síndrome de Asperger e aprender a conviver com ela.
    Mas, para isso, necessito de ajuda externa: orientação, livros, paciência, medicação e muita compreensão.
    Sou aspie! Quanto mais me informo sobre o assunto, melhor me conheço e compreendo o porquê de minhas reações e atitudes e aprendo a conviver com o problema com maior tranquilidade.
    Por não ter “semancol” e não atinar claramente com o que acontece, tanto comigo quanto ao meu redor, não sei me comportar socialmente e ajo muitas vezes de maneira inconveniente.
    Minha alienação da realidade me leva a cometer ratas, gafes e a incomodar os outros sem que eu note.
    Não entendo quem é diferente de mim.
    Não compreendo como uma pessoa pode ser diferente de mim.
    Também não entendo porque não sou compreendido.
    Sei que o “diferente” sou eu e não os outros.
    Minhas atitudes excêntricas, de um modo geral são mal interpretadas.
    Nem todos são compreensivos.
    Por mais que me esforce e me policie, não consigo disfarçar ou esconder minhas emoções.
    Assim, alegria, frustração, aborrecimento, decepção, desagrado, tristeza, todos podem ver espelhadas imediatamente em meu rosto.
    Sou aspie! Sou áspero! Mas, faço minha autocrítica, procuro descobrir meus defeitos, desenvolver meu autocontrole e me manter sempre, em qualquer circunstância e dentro do possível, com uma postura alerta, equilibrada, calma, segura e um certo aplomb e fineza.
    Sou Aspie!!!
    Vejo o que os outros não vêm e não posso falar. Por não ter um juízo claro e sensato, nem possuir uma nítida noção de conveniência das coisas e atos, procuro me manter calado e me abster de…
    1) Dar conselhos, tomar iniciativas ou decisões – deixo isto para outros com melhor discernimento.
    2) Fazer perguntas – sempre são indiscretas ou incômodas.
    3) Fazer comentários – sempre são constrangedores ou descabidos.
    4) Fazer gozações e brincadeiras de mau gosto – são extremamente antipáticas e desagradáveis.
    5) Fazer criticas ou reparos – sempre são mordazes e venenosos.
    6) Fazer visitas – sempre são inoportunas .
    7) Puxar conversa – aguardo que me dirijam a palavra.
    8) Mandar nos outros – só consigo irritá-los.
    9) Me meter em conversas, dar palpites e sugestões em assuntos alheios – sou mal recebido.
    10) Enfrentar ou discutir com desconhecidos – posso me dar mal.
    11) Me irritar com estranhos ou conhecidos – procuro segurar minha raiva e impaciência.
    12) Dizer palavras ofensivas – tento controlar minha indignação.
    13) Compartilhar ideias – não sou compreendido
    14) Compartilhar interesses – ninguém quer saber.
    15) Avisar os outros por atitudes que, a meu ver, não são corretas – não sou palmatória do mundo.
    16) Pedir favores – Podem ser impróprios ou embaraçosos.
    17) “Dar bronca”, “achar ruim” – mesmo com razão, pode não ser apropriado.
    18) Usar de franqueza – não tenho tato para fazê-lo com a sutileza requerida.
    19) Escolher presentes – um desastre.
    20) Escolher o que vestir – outro desastre.
    21) Apressar os outros quando sinto que não vai dar tempo – sempre dá tempo.
    22) Atividades sociais – sempre me sinto desconfortável.
    23) Assumir liderança – não tenho a certeza de que minhas decisões serão as mais adequadas.
    24) Conversar com estranhos – Podem estar mal intencionados.
    25) Me relacionar com desconhecidos – podem me prejudicar.
    26) Atender ao telefone – caio facilmente em trotes.
    Por ser crédulo e não ter malícia no coração, acredito piamente no que os outros me dizem, o que me faz vítima frequente de gente velhaca.
    Por ser ingênuo, não percebo sarcasmo, ironia, mentira, deboche e sobretudo, não percebo a maldade dos que me enganam.
    Também não sei interpretar com clareza os sutis sinais da linguagem não verbal que expressam impaciência, irritação, incômodo, desespero, enfado, etc., e de alguns comportamentos inusitados ou da ocorrências de situações estranhas que me alertam para uma cilada iminente preparada para me prejudicar, sobretudo no meu grupo social, seja no trabalho, na escola ou em outro qualquer.
    Como não tenho “desconfiômetro”, sem a sentinela da desconfiança sempre acontece de me sair mal.
    Minha ficha demora a “cair”, isso, quando cai.
    Então, o melhor a fazer é “ficar na minha”.
    Fico quieto no meu canto, não me meto no que não é da minha conta, não vou onde não sou convidado e leio estas notas todos os dias.
    Entretanto, o fato de eu ser assim não significa que todos os aspies também o sejam.
    Não se pode generalizar.
    Os níveis de intensidade da Síndrome de Asperger variam bastante de pessoa para pessoa.
    Há que se considerar, também, as características pessoais de cada aspie.
    Na verdade, esta foi a maneira que encontrei de levar a vida, me proteger e ser feliz dentro do possível. Mas cada caso é um caso.
    Entretanto, apesar de ser portador da Síndrome de Asperger, uma coisa me conforta: vendo através da minha lógica anômala e distorcida o estado atual de certas pessoas neurotípicas consideradas “normais” – corruptas, desumanas, cruéis, egoístas, gananciosas, violentas, vazias, indignas, desonestas, mal educadas, mentalmente indigentes, etc., etc., – a chafurdar-se no lamaçal de uma enorme podridão quase a atingir o ponto mais alto possível da degradação do Homem, tão grande podridão que me dá vergonha de pertencer ao Gênero Humano, – eu me sinto consolado e dou graças aos céus por não ser “normal”, mas apenas um aspie.
    Antes assim! Poderia ser pior…

    By Persis on Oct 13, 2012

  93. Ola
    meu irmao de 13 anos apresenta diagnostico de sindrome de asperger e tambem hiperatividade, ele só pensa em ônibus o tempo todo e só quer falar disso,tem episódios de agressividade varias vezes por dia, principalmente qndo e contrariado. Atualmente não frequenta escola nenhuma pois moramos em uma cidade muito pequena e a unica escola que tem nao consegue trabalhar com ele, ja tentamos de tudo e desistimos pelo cansaço e fracasso..
    mais emfim o que mais incomoda e a agressividade, ele nao nos escuta, e quer sair de casa toda hora sozinho para ver onibus e acaba criando confusoes em varios lugares onde ele passa, as pessoas nao o aguenta mais e nos nao temos mais controle da situação..ele toma respiridona 2mg por dia e tambem cloridrato de clomipramina 50 mg por dia..ja tomou varios tipos de ritalina e piorou muito sendo suspendida pelo psiquiatra a um bom tempo..Alguem conhece algum caso de hiperatividade e sindrome de asperger associados com sinais e sintomaS parecidos com este e qual medicamento usa

    By pati on Nov 10, 2012

  94. Namoro com uma moça à 4 meses, eu a amo muito.
    Ela desconfia e eu também que ela tem síndrome de asperger, moramos em Guarulhos, quero saber se por aki possui algum tratamento para esta doença.
    Ultimamente ela quer ficar isolada, pergunta pra mim porque eu a amo, quer se manter isolada, não consegue expor as emoções.
    Não quero terminar com ela, já no caso dela eu já não sei o que devo fazer?
    Aguardo uma resposta.

    By Everton Ricardo Carvalho on Nov 15, 2012

  95. Ola Persis
    Li hoje poe 2 (duas) vezes esta página e confesso, fiquei meio que impressionada com a informação de HIYDERGINE. Imagina voce que sou farmacista (aposentei-me em balcão de farmácia) e sempre vendi Hydergine para idosos ….. jamais me atentei para alguns detalhes ou liguei esses detalhes ao meu neto aspi que tem 18 anos. Ficou aqui na minha cabeça uma pergunta que não quer calar: Quem te indicou o Hydergine ? Foi o Hydergine que despertou sua consciencia de ser um Aspi ? É claro que vou conversar com o psiquiatra do meu neto (que não toma nenhum remédio, mas tem um psiquiatra) e pedir que leia sobre este remédio. Sabe? Eu seu que Sindrome de Asperger não tem cura mas, eu tenho uma necessidade enorme de perceber (mesmo que seja uma falsa percepção) que ele está ou é feliz. Está sempre isolado, moro numa cidade linda, turistica e ele não curte nada nada nada. Não tem amigos e eu nunca sei se isso incomoda só a mim ou a ele tambem. Persis, ando meio perdida ….. de tanto procurar caminho.
    Voce é doce feito mel e te dou parabens pela forma adoravel como consuziu suas respostas e orientaçoes.

    By Nina on Nov 24, 2012

  96. Olá! Nina.
    Muito obrigado pelos elogios. Imagine como fez bem para o meu ego…
    Quem me receitou o Hydergine foi um psiquiatra a quem consultei quando, numa reação totalmente instintiva, ofendi a um mendigo que me abordou na rua para pedir uma esmola. Logo caí em mim e percebi o absurdo do fato. Achei que precisava de ajuda e procurei tratamento; percebi que estava perdendo meu bom senso, meu autocontrole.
    O medicamento me ajudou a recuperar meu equilíbrio e controlar minhas reações instintivas, que podem meter a gente em encrencas… Mas o psiquiatra nada disse sobre Síndrome de Asperger. Parece-me que naquela época ela ainda não era conhecida. Talvez por desconhecê-la, e pelos sintomas que apresentei, ele tenha me receitado este remédio. O que sei é que funcionou. Mas, mesmo não tendo cura, podemos aprender a conviver com esta Síndrome (e com a sociedade).
    Descobri que era aspie muitos anos depois, quando fiz o teste do site http://www.rdos.net/br/ (Aspie-Quiz) que acusou 92% de características da Síndrome e 8% de neurotípicas. Depois disso, como um bom aspie, foi só me debruçar sobre o tema e estudar o assunto o máximo possível.
    Foi nesse momento que as lembranças afloraram e a luz se fez sobre elas. E perdoei, a mim mesmo, por coisas de que hoje me envergonho de ter feito, e aos outros de quem guardava ressentimentos…
    O interessante é que quanto mais eu pesquisava sobre o assunto e mais ficava me conhecendo, mais controle eu desenvolvia sobre minhas ações e reações e menos tinha necessidade do medicamento, até que parei completamente.
    Hoje, sem o remédio, me policio o tempo todo, é claro. Infelizmente, tem que ser assim. Se nós aspies nos abandonarmos aos nossos instintos, certamente iremos arrumar muita encrenca e passar por maus bocados.
    Sei não! Mas tenho cá comigo uma forte intuição de que esta Síndrome tem algo a ver com a falta de irrigação cerebral…
    Também não tive amigos na minha infância; vivia isolado e preferia assim; era o protótipo do sujeito desequilibrado. Ninguém nunca passou a mão na minha cabeça, muito ao contrario. Aos 7 anos eu já era considerado um garoto problema. Apanhei bastante. Estar perdido, não saber o caminho a seguir nem o que fazer era o meu estado natural; aprendi pela via mais difícil: pela dor. Não tinha a informação tão necessária neste caso, que hoje se encontra em abundância na WEB. O que me ajudou muito foi a leitura – Eric From, Dale Carnegie, Epicteto, Pierre Charron, David Thoreau, Virgínia Lefevre e muitos, muitos outros, sobretudo filósofos.
    Mas, nem tudo foi ruim. Tive também momentos de intensa felicidade. Minhas emoções, boas ou más, eram todas exacerbadas, talvez por causa da Síndrome.
    Para finalizar: Apesar de tudo, constitui família e consegui fazer de meus filhos pessoas de bem.
    E o mais importante: É extremamente necessário que o aspie tenha profunda consciência do seu estado e queira realmente se integrar à sociedade.

    By Persis on Nov 25, 2012

  97. Querido Persis

    Fico feliz por massagear seu Ego mas, a intenção foi fazer justiça a essa ajuda, dada por você contando suas experiências, que recebem aquelas pessoas que, como eu, conhecem poucos Apies e muito menos ainda, como ajudá-los.
    Como voce disse, cada caso é um caso. No caso do meu neto, nunca deu motivos para parecer menino problema. Não é doce, ao contrário, é rude (sem sê-lo na intenção); incapaz de qualquer ato de violencia ou hiperatividade; jamais xingou alguem; nunca abraçou alguém sem que isso fosse ´quase´ imposto…. enfim, contraditório.
    Sempre, ao contrário de você, teve quem lhe passasse a mão sobre a cabeça. Foi deixado pela mãe mas protegido pelo pai e, super-protegido por mim. Fazemos das tripas um coração para tentar ajudá-lo mas, não temos conseguido.
    Chamou-me atenção o fato de você dizer que quanto mais se aprofundou no seu ´problema´mais aprendeu a lidar consigo mesmo.
    Essa sua fala remeteu-me a idéia de ler os pontos (milhos que terei que debulhar pois para conversar com ele é preciso usar muitos sinonimos) com suas caracteristicas, que estão acima numa outra mensagem, e trabalhar esta conscientização dele de que é um aspie.
    Uma coisa de cada vez, vou conversar com o médico a respeito de Hidergine e começar este trabalho com ele.
    Penso que, passou da hora de chamá-lo à realidade DELE.
    Lendo sua mensagem, lembrei um pensamento de PARACELSO e vou finalizar com ele, esperando nova mensagem sua.
    ´Quem nada conhece, nada ama. Quem nada ama, nada pode fazer. Quem nada pode fazer, nada vale. Mas quem compreende tambem ama e vê. Quanto mais conhecimento houver, inerente numa coisa, tanto maior o amor. Aquele que pensa que todos os frutos amadurecem ao mesmo tempo, como as cerejas, nada sabe a respeito das uvas`.
    Recebe um carinhoso abraço da Nina

    By Nina on Nov 25, 2012

  98. Nina.
    Tem certeza que seu neto é aspie?
    Pelo que deduzi de suas palavras ele parece ser apenas um misantropo.
    Gosta da solidão, evita o contato social e é um pouco esquivo. Né não?

    By Persis on Nov 26, 2012

  99. A PROPÓSITO DOS MISANTROPOS
    Não se amargure nem se censure por ser uma pessoa discreta, de hábitos simples e temperamento reservado, sem vaidades.
    Se seus interesses são diferentes dos do vulgo.
    Se você sabe apreciar o silêncio longe das multidões agitadas e barulhentas que deprimem um espírito sensível. Se prefere ficar recolhido em casa desfrutando do encanto de
    seus singelos prazeres platônicos e espirituais, a frequentar bailes e festas badaladas ou espetáculos grandiosos.
    Se, diversamente do que ocorre com a maioria das pessoas, você não se interessa por esportes, viagens ou conhecer novos lugares (alguns dos grandes filósofos também foram assim. Se não valoriza bebidas finas, pratos exóticos, trajes elegantes e ambientes requintados, enfim, as frivolidades do hedonismo mundano. Se não pratica o sexo promíscuo e animalesco mas o desfruta ternamente no aconchego íntimo de um amor intenso, ou sequer lhe dá muita importância.
    Se a riqueza, o poder, a glória e a posição social nada significam para você. Se você não suporta ficar ouvindo os mexericos fúteis dos
    encontros de comadres, nem as intriguinhas maldizentes ou os lero-leros que nada acrescentam, tão a gosto das nossas rodas sociais. Não se preocupe; isso é normal.
    Saiba que um grande homem nunca se exalta, quer nas ocasiões alegres, quer nos momentos
    de aflição. É possível que, por ter uma
    inteligência acima da média, você deva ter um temperamento introvertido, introspectivo, seja um tanto esquivo e não compreenda muito bem as outras pessoas. É que você é uma criatura especial. E isto é muito bom. Não dê ouvidos a comentários malévolos sobre a sua maneira de ser e o seu modo de se comportar feitos por gente pequena que só sabe criticar. As pessoas mesquinhas tendem a condenar tudo o que lhes é diferente. Contudo, atente para não se isolar completamente do mundo como os anacoretas enclausurados em mosteiro em estado de
    absoluta contemplação. O crescimento da alma só
    acontece pela interação e convivência dos Seres Humanos. O Homem é um ser social; ele
    necessita desse convívio, mesmo que limitado a uns poucos encontros eventuais, para se desenvolver, consolidar sua personalidade e manter seu equilíbrio emocional.
    O lazer em sociedade é indispensável para uma boa saúde psíquica, ainda que isto possa
    ser um pouco desconfortável para você.
    A alegria compartilhada com entes queridos é um elixir para a higiene mental.
    Cuide, entretanto, de conservar alerta o seu senso crítico para que seu espírito não se deixe contaminar por condutas e posturas alheias que sejam incompatíveis ou conflitantes com os valores éticos e morais que
    você abraça…
    É isso.

    By Persis on Nov 26, 2012

  100. Ola tenho um filho de 13 anos, que tem todas as caracteristicas de asperger. Muito carinho e obediente, porem com o pavil curto. Não consegui fazer leitura dos coleguinhas. Quanto pequeno aprendeu ler e escrever muito cedo. Gostava muito de tudo que rodava, liquidificador, batedeira, maquina de lavar roupas principalmente, ventiladores. Qua ele descubriu que a descarca da escola, a agua descia girando era uma festa ir ao banheiro. Dormia girando os dedinhos. Levei em uma psicologa para saber se era um pouco de autismo..ela disse que de autismo não tinha nada. Só hiperatividade, que com o tempo mudaria. Ao passar do tempo e hoje com 13 anos, comecei a perceber que há algo de errado, pois a hiperatividade sumiu, mas ele foca em linguas..aprende qualquer lingua facil, desde o japones, ate russo, muito facil, mas com as pessoas é muito dificil interagir, seus coleguinhas não entende e ele acaba ficando nervoso. Leva ao pe da letra certa ironias, como por exemplo me perguntar se “cha de bebe”, pega-se o bebe e faz-se um cha, e se “ta chovendo canivete’ é perigoso….seu vocabulário é muito rico e mas sua cominicação tem muita dificuldade. Meu maior problema esta que ele não tem maldade e tem dificuldade como por exemplo em biologia qdo a professora da uma materia de reprodução humana. ele não quer saber.Acha muito feio saber essa coisas. Beijar é nojento. Aparenta ter 5 anos quando o assunto é sexo. Teno alguns medo, porem preciso de um diagnostico para escola. Pq lá tbem ninguem consegue compreender o que se passa com ele. Remédio não contra, caso venha ser um diagnostico positivo prefiro a terapia.

    By Sylwana on Nov 26, 2012

  101. Persis

    Não. Nao existe hipótese de Misantropia no meu menino. Ele é Aspie messssssssssssmo. Alem disso, Persis, eu tambem estudei alguma coisinha a respeito e, a Sindrome de Asperger é uma desordem genética e a Misantropia não passa por esse caminho. Me parece, apenas me parece, baseada em tudo que já li a respeito do comportamento misantropo e aspie que: o primeiro está mais ligado ao caráter e o segundo ao sistema neurológico. Enfim, nao sei muito mas estou certa de que tenho um menino Aspie.
    Meu menino é genio (nos campos do interesse dele), esquisito, lento.
    É capaz de, em noite de ceu estrelado, te dizer o nome de todas estrelas que ve no céu (porque adora estudar astronomia e estuda sozinho), em conpensação não sabe conferir o troco da padaria; é capaz de contar a história de todos os vulcoes, furações, tsunamis que já passaram pelo planeta. em compensação não chegaria numa menina pra dizer: Qual seu nome?
    Adorei esse texto sobre misantropia, talvez seja o melhor (no sentido mais suave) que li a respeito.
    A título de brincadeirinha: quanto mais leio sobre misantropia, mais gosto da Sindrome de Asperger rsssssss.
    Nina

    By Nina on Nov 27, 2012

  102. Sylwana

    O persie deixou uns links em algumas mensagens acime, inclusive um teste …… faça, amiga.
    Eu sugiro que voce leve seu filho a um neurologista e só aceite um laudo depois de visto, revisto, passado, repassado, virado, desvirado.
    Sempre acho que voce saber o que está tratando facilita.
    O meu neto não tinha paixão por formas arredondadas, coisas que giravam e até os 6 anos não apresentou nenhum sinal de autismo ou Sindrome. O isolamento começou por volta dos quase 7 anos de idade.
    Voce tem, do seu filho, algum diagnóstico?
    Querida, tudo vai dar certo, tá?
    Nina

    By Nina on Nov 27, 2012

  103. Olá! Nina.

    Você citou Paracelso e deve conhecer bem a obra dele. Eu não o conhecia, ainda que o nome não me soasse estranho.
    Será que em seu receituário não se pode aproveitar alguma coisa relacionada ao tratamento da Síndrome de Asperger?
    Baixei um arquivo (link abaixo) que achei muito interessante. Inclusive vou usar os conselhos dele em mim. Gostei do que li.

    http://www.sca.org.br/biografias/Paracelso.pdf

    Abrçs

    By Persis on Nov 27, 2012

  104. Olá, Persis!

    Vc não faz ideia da vontade que tenho em conhecê-lo pessoalmente! Tenho um filho aspie que fará 7 anos em breve. Minha esperança é que ele se torne uma pessoa independente, que possa constituir a sua família encontrar pessoas boas no seu caminho. Agradeço de coração as suas participações nesta página. Seus comentários renovam as minhas esperanças em relação ao futuro do meu filho. Obrigada!

    By Cris on Dec 14, 2012

  105. Olha, Cris, não há nada a agradecer. É o mínimo que posso fazer para ajudar, e o faço com prazer.
    Se dar bem ou se dar mal depende muito da sorte.
    A gente não sabe o que vai encontrar pela frente, e a vida não passa a mão na cabeça de ninguém. Eu passei meus apuros e apanhei muito para aprender. Aos 11 anos consegui a proeza de ser expulso da escola. Se seu soubesse desde criança que era aspie minha vida teria sido muito mais fácil e progressivamente mais tranquila na medida em que a maturidade, e consequentemente a melhor compreensão, fosse chegando. É por isso que eu insisto aqui para que os pais conversem muito com seus filhos aspies e mostrem a eles este fato para que eles possam, compreendendo a si mesmos, se defenderem do mundo. Com a idade de seu filho, 7 anos, eu fui largado no mundo. E sobrevivi. É por isso que eu acho que existem coisas que não percebemos, que alguns chamam de Anjos da Guarda, que cuidam de nós e não deixam que as coisas desandem. Em várias ocasiões eu percebi claramente esta presença. Mas, se nós mesmos não nos ajudarmos… sei não!!
    Felicidades pra você e seu menino.

    By Persis on Dec 16, 2012

  106. Olá a todos.

    Esta é a 1ª vez que entro neste site. Ainda estou um tanto quanto perplexo por conta de agora me identificar quase que inteiramente com os aspies, tanto os que aqui se manifestam como também com os exemplos que venho encontrando pela internet.

    Tenho 67 anos, uma vida profissional bem resolvida(sou aposentado, tudo bem com minha carreira). Já a vida pessoal, com relações complicadas em diversas ocasiões, é marcada por desequilíbrios. Atualmente tenho uma namorada, com quem me relaciono muito bem, tenho uma família com filho, irmã e 2 sobrinhas e alguns poucos amigos. Gosto muito de todos e me sinto querido por eles.

    Estou me dando conta de que sou sério candidato a ser um aspie. Fiz o aspie-quiz há 3 dias, que retornou que provavelmente sou um aspie. Começo a entender melhor porque sou tão isolado e pouco saio de casa, vivendo sozinho a maior parte do tempo. Estou bem assim, não tenho do que me queixar. Mas gostaria de entender melhor porque tenhos essas características que não são muito comuns. Agora estou descobrindo essa novidade, que explica muita coisa da minha vida, sempre em função de relacionamentos pessoais que se complicam mais do que se poderia imaginar. Desde já penso em conhecer melhor a síndrome, mas em primeiro lugar preciso de um diagnóstico para confirmar ou não a minha desconfiança de ser aspie.

    Gostaria de saber dos colegas do forum, como posso obter um diagnóstico confiável da minha situação? Moro na Zona Sul do Rio, se alguém puder me passar alguma indicação de especialista para o diagnóstico, serei muito grato.

    Abraço a todos

    By Ricardo G on Dec 22, 2012

  107. Ola,

    De tudo que li,acho que muitos casos aqui nao podem ser considerados Sindrome de Asperger pois a INTELIGENCIA PRESERVADA OU ACIMA DA MEDIA É UM FATOR DETERMINANTE PARA QUE O INDIVIDUO SEJA CLASSIFICADO COMO ASPERGER. Fui ha varios neuropediatras uns 12 ou 13, falam sempre a mesma lingua, AUTISMO. Li muito e o remedio certo é a Familia, a compreensão de todos a sua volta, ele sera especial sempre.Descobri ha um ano ele tem so 5 aninhos,nao toma remedio algum, mais e um doce,genio(le,escreve,soma,desenha com perfeição,os eletronicos sao sua paixao(computadores,phones,note,enfim curioso demais para games…)Li sobre a dieta do glutem. Estou começando. A industria farmaceutica é imensa, nao ha e nem havera pesquisas que comprovem sua eficacia(dieta)pois estamos falando de alimentos e nao de dinheiro(pilulas). Por fim meu filho estuda numa escola regular,tem sua rotina,mais vou fazer o impossivel para torna lo independente cada vez mais para que possa falar como vc Persis,ajudar com sua experiencia. Ha sim nao podem deixar de assistir TEMPLE GRANDIN FILME.

    ATT Thiany

    By Thiany on Jan 10, 2013

  108. Complementando a informação de Thiany…
    Enquanto o filme de Temple Grandin não chega por aqui, podemos nos informar assistindo esta interessante palestra que ela fez no TED.

    Legendado em português:
    1° parte
    http://www.youtube.com/watch?v=6J-_AOEOT0c&feature=share&list=PL201D53756DE08572
    2° parte
    http://youtu.be/jWS7tjflPNo

    ou

    Em inglês:
    http://youtu.be/fn_9f5x0f1Q

    By Persis on Jan 20, 2013

  109. Gostaria de indicar o especialista em asperger no RJ – Dr Jair Luiz de Moraes – 34339236
    Minha filha de 21 anos tem asperger e dislexia e é acompanhada por ele. Ela nunca tomou remédio algum, é super doce e tranquila e muito amada pela familia. Mas continuamos sempre na busca de algo mais que possa ajudá-la na sua independência.
    Só descobrimos que ela é asperger qdo tinha 18 anos. Até lá fomos fazendo tudo que estava ao nosso alcance para ajudá-la e parece que fomos acertando.
    se ajudar em alguma coisa… :
    http://dislexia-informar.blogspot.com.br/
    http://minhasexperienciasdislexia.blogspot.com.br/

    By Rosane on Jan 30, 2013

  110. Gostaria de saber um endereço de um especialista sobre sindrome de asperg aqui em Fortalea ,pois estou desesperada com minha filha…

    By Annelize Rocha on Feb 2, 2013

  111. Anelize

    Entre no site abaixo, tecle Ctrl F e digite Fortaleza.
    Tem 5 especialistas.

    http://www.autismo-br.com.br/home/profissi.cgi

    Boa sorte

    By Persis on Feb 4, 2013

  112. Meu nome e mirian,tenho um filho de 13 anos que e asperg,ele e muito carinhoso, mais nao interage com amigos da escola,nao gosta de sair, so gosta de ficar no quarto dele jogando game ,internet e ver filmes que interessa ele,durante muito tempo tentei super protege lo. sofre buyling por ser diferente,mais e muito inteligente, gostaria de manter contato com maes que tem filhos adolescentes essess problemas.meu email e mirian475@yahoo.com.br

    By mirian on Feb 14, 2013

  113. Olá para todos! Sou recem casada, namoramos durante tres anos, mas nos conhecemos há sete anos, pois cursamos faculdade juntos. Desde que começamos a viver juntos, seu temperamento – que eu julgava um pouco diferente e até me divertia – se mostrou muito excentrico. Ele evita falar com pessoas que não conhece, não sente falta de sua família e não procura contato com ninguem (moramos em outra cidade desde que casamos), quase não atende o telefone e nunca retorna ligações. Não gosta de “perder tempo” batendo papo com algum amigo ou conhecendo pessoas novas. Não gosta de convívio com ninguem praticamente, a menos que se trate de pessoas com idade muito diferente da dele (crianças ou idosos). Apesar de aparentemente sempre estar com um pé atrás com as pessoas, age e diz coisas que comprovam ser de uma ingenuidade sem igual. Se alguem mais velho, por exemplo, fala que todo círculo tem quatro cantos, ele passa a acreditar fielmente que isso é verdade, afinal, segundo ele, a pessoa tem idade para ter aprendido tudo. Evita olhar nos olhos das pessoas e quando vai a algum lugar, no percurso vai treinando tudo o que vai dizer a essa pessoa- não sabe ser espontaneo nem agir com naturalidade. Assiste inumeras vezes os mesmos filmes. Lê expressão facial das pessoas sempre diferente da que eu vejo – muitas vezes o oposto do que eu vejo. Não demonstra curiosidade nenhuma a não ser que seja algo do interesse dele (o que se resume a três ou quatro assuntos…) É sempre muito inflexível nas suas convicções, mesmo sendo óbvio que isso é algo ultrapassado, ou que está exagerando – é sempre irredutível… Na sua família existem outras pessoas assim… Eu desconfio dessa sindrome de asperger, mesmo não tendo nenhum conhecimento profissional acerca disso. Ele se recusa a procurar ajuda profissional para ter qualuer diagnostico, diz que eu que sou exagerada/desiquilibrada/louca, dependendo da situa~ção e do seu humor rsrsr… apesar disso o amo, e não sei o que fazer, estou deseperada pois conversar com ele é sempre muito desgastante e improdutivo…por favor me ajudem, se puderem…não sei como agir nem o que fazer… desde já, e de qualquer forma, agradeço muito.

    By cecília on Feb 22, 2013

  114. Algum medico especialista em autismo no Piaui?

    By Márcia on Feb 23, 2013

  115. Márcia
    Tente se informar na AMA – Associação de Amigos de Autistas do Piaui.

    Endereço:
    Rua José Clemente Pereira, S/N, Bairro Primavera. Teresina-Pi.
    Fone: (86)3216-3385

    E-mail:
    amapiaui@hotmail.com

    Blog:
    http://amigosautistas.blogspot.com.br/

    Boa Sorte

    By Persis on Feb 25, 2013

  116. Li todos os posts e gostei muito. Tenho um filho de 17 anos que se encaixa muito no perfil dessa síndrome, porém já o levei em vários psicólogos e psiquiatras e ainda não obtive um diagnóstico. Alguns acham até que ele não tem nada. Só que agente que é mãe sabe as diferenças que o filho tem. Gostaria de saber também se ficar muito tempo na internet não causaria um problema semelhante a uma síndrome, qualquer que seja, pois meu filho desde pequeno usa a internet e penso que isso tenha lhe causado mal.

    By Rége on Mar 1, 2013

  117. Meu filho vai fazer 38 anos e ele tem muitos sintomas da síndrome de asperger, um deles é ser muito ingenuo ele não percebe maldade em pessoas que querem enganá-lo!tem dificuldade em se enturmar , e muitas coisas mais ainda bem que ele nos conta sempre a verdade !!

    By maria christina on Mar 14, 2013

  118. Meu filho tem 14 anos e acho que é um Asperger, alguém pode me indicar um profissional no Rio de janeiro, que atenda por planos de saúde?
    Meu filho não consegue fazer amigos,será que dois adolescentes asperger em contato constante, conseguiriam fazer amizade por se identificarem?
    Se alguém que more no rio de janeiro e tem filho nesta faixa etária com este problema e quiser entrar em contato, podemos ver se eles conseguem fazer amizade, com os que são parecidos com eles.

    By Sandra Araujo on Apr 8, 2013

  119. Minha filha acabou de fazer 18 anos tem esses sintomas não faz amigos ,não sai de casa ,memória curta ,é linda mas não consegue namorar vive afastada das rodas de amigos não se expressa e quando fala é agressiva com as meninas da idade dela ,briga muito facílmente com as irmãs mais nova não sei o fazer …frequentou piscologo ai pediu p/ passar pelo neuro fez tomografia mas deu deu nada de errado …sei que ela prescisa de um acompanhamento em qual profissional devo leva-la é muito triste ver minha filha tão jovem com tanta vida pela frente e parada voada …aguardo resposta .

    By angelica maria barros on Apr 17, 2013

  120. Onde posso encontrar profissional especializado em sindrome de asperge no Rio de Janeiro? Tenho uma amiga com filho de 30 anos diagnosticado e precisa se tratar. Já tentou alguns profissionais mais não deu certo. Ele é muito inteligente, já se formou, mas tem dificuldade para arranjar emprego. Está em crise. POr favor nos ajudem. Obrigada

    By daisy on Apr 24, 2013

  121. gostaria de dar os parabenes a a quem disse q ta conseguindo viver com esta sindrome dos joelhos inquieto pois eu to cm 64 anos ate agora cmento com os medicos e eles sempre desconversão e fica por iso mesmo ando super nervosa pois a cada dia piora mais tenho varios problemas de saudeinclusiveso ipertensadiabetica pneumopataa coluna da de mal a pior os remedios ja não fazem mais efeito sopor pouco tempo e com a idade a sindrome não da pra vazer hunha piora cD ves mais as dores e cindrome tambem no com putador fico pouco pois loga tenho q levantar as pernas não deixam q eu continue wsentada na rua de carro ou de onibus ela incomoda da pulos q não concigo desfarsar alem do nervoso q da ne dormir nem pensar fico nervosa iritada pois chego a ficar uma semana inteirinha sem dormir e so deitar e 10 minutos ela entra em a~çao olha q to mo remedio pra dormir rvotril de 2 miligramas mai não comcigo pregar o olho temho vontade de arrancalas fora de tanta agonia desculpe aqui as pessoas ñao compreendem

    By edithe on May 16, 2013

  122. Tenho uma filha de 11 anos que tem todos simtomas de SA, porém não consigo um laudo disto, alguem pode me ajudar em curitiba onde consigo uma clinica, psicologos, que tratem especifico?

    By rosana on Jun 11, 2013

  123. Lendo tudo, me identifiquei bastante com a Cecília, pois depois de casada que fui perceber algumas coisas bem diferentes no meu marido. Pelo desconhecimento da causa, nós viviamos muito mal por causa das atitudes e do comportamento meio egoísta dele. Com o tempo procurei achar respostas pois não era possivel que alguem tão bom fosse ao mesmo tempo tão desumano e indiferente. Cheguei as características do aspie adulto, 90% do que leio bate com o jeito dele. Agora estou vivendo uma nova descoberta, o nosso filho de 03 anos está apresentando desde os 02 anos um quadro de aspie. A minha forma de ver o meu marido mudou totalmente, agora que preciso defender e lutar pelo meu filho, me sinto na obrigação de proteger também o meu marido. Eles são ótimas pessoas, só são diferentes de mim e de grande parte das pessoas. Depois que tomei essa consciencia, nossa vida em familia melhorou muito pois eu só quero deles o que eles podem dar, não espero mais pelo impossivel e tenho sido feliz entendendo os limites deles dois. Meu filho está evoluindo depois que desisti de tratá-lo como uma criança comum, estou dançando conforme a música e ele está bem mais calmo no geral, tendo dias que somente com muita calma e paciência consigamos nos relacionar com ele. Ele já está dando beijo no nosso rosto e melhorou bastante a fala em casa, mas se sairmos de casa ou estivermos na presença de pessoas estranhas, ele regride totalmente. Não o exploro mais querendo que ele agradeça, que ele cumprimente ou que ele seja simpatico, ele o é de forma espontanea quando se sente a vontade. Assim vou driblando os pontos de impasse e vou vendo que cada vez mais ele adquire confiança e maturidade, afinal ele só tem 03 anos. Creio que quando ele tiver a idade do pai dele, o cenário será outro, não o que eu tive que assumir quando casei sem saber quem era o meu marido realmente, pois nem meu marido sabe quem é de verdade. Eu sei.

    O meu filho é apaixonado por aviões, carros, trens, plantas altas tipo coqueiros e palmeiras, pela lua e por nuvens. Já que ele gosta de fazer coisas sozinho eu baixei alguns aplicativos no tablet e ele passa parte do tempo brincando com coisas que são do interesse dele. Sempre acrescento algo e assim ele vai aumentando a gama de interesses, pois antes era somente carrinhos e vasilhas plásticas.

    By Robie on Jun 18, 2013

  124. Olá! Robie.
    Nesta série, o protagonista nerd Sheldon (Jim Parsons)é aspie.

    http://www.youtube.com/watch?v=t2qcBTupXHw&list=RD02jPLWvJ2F-0k

    Parabéns pela sua inteligência e compreensão dos problemas do seu marido e filho.

    By Persis on Jun 19, 2013

  125. Bom dia, estou desesperadamente a procura de um profissional especialista em SA, e não consigo encontrar,ja entrei em sua lista mas não consigo marcar consulta, tenho convenio (Unimed) a particular é muito caro, não tenho condições, por favor poderia me indicar um profissional da região. grata…

    By Mary

    By MARILDA LOURENÇO on Jun 24, 2013

  126. Olá,

    Um pouquinho de todas, mas todas mesmo, destas histórias aí em cima coincidem com a do meu filho de 22 anos hoje.
    Eu preciso saber como faze-lo aceitar, para buscar ajuda?

    Preciso e ajuda!

    Muito obrigada!

    By Sandra Silva on Jul 4, 2013

  127. Olá! Edithe.
    Experimente o seguinte: Esprema meio limão em meio copo com água e beba de uma vez, num só gole após comer, 2 vezes por dia. No começo é difícil, mas logo a gente se acostuma. Para mim deu certo; minhas pernas e braços pararam de pular. Faço votos que dê certo para você.

    By Persis on Jul 7, 2013

  128. Meu filho tem 27anos é um portador da sindrome de asperger.O que tenho a dizer é que a luta é diária,de ambas as partes,paciência e compreensão amor, muito amor, são a tônica desse desafio.Meu filho é um aspie e também portador de uma eplepsia noturna desde os 3 anos de idade.Teve muitas dificuldades de aprendizado em várias áreas e trava dificuldades ainda hoje para se adequar a padrões …ainda luta para conseguir um trabalho.Minha, nossa maior luta começa em casa por não ser aceito pelo próprio pai, gerando atritos sérios, pois hoje ele é um homem , mas ainda não é respeitado com tal.Por esse motivo seu sofrimento é atroz, então senhores, tratem com bons médicos e medicamentos, não deixem de corrigir também seus filhos, todos precisamos de limites,mas acima de tudo , paciência compreensão .Não se esqueçam de Deus e de cuidar de voces também!! Somos muito especiais!!

    By MArcia da cunha SAntos on Jul 14, 2013

  129. A Psiquiatra do meu filho Gustavo,eu moro em São Paulo…

    Dra Cecília Dornas (24)33423577 /(24)99983333

    Volta Redonda _ RJ

    By MArcia da cunha SAntos on Jul 14, 2013

  130. Vou deixar também o contato do neurologista de Gustavo também de Volta Redonda , indicado pela Dra Cecília.
    Gostaria de dizer para a mãe do jovem de 22 anos que Gustavo dirige, pilota moto ,é claro que tudo com responsabilidade e cuidado como todos e eles vão se adequando…GUstavo faz terapia também, isso os ajudam muito!!
    Dr Jorge Vidigal
    (24)33434904
    (24)33433933 (resid)

    By MArcia da cunha SAntos on Jul 14, 2013

  131. Boa noite, gostaria de saber como fazer para ajudar meu filho, ele tem 18 anos e tem os sintomas da sindrome de Asperge, ele é inteligente para algumas coisas a exemplo dos estudos, mas no dia-a-dia, nas coisas mais simples se atrapalha todo em atividades simples,a exemplo: retirar um objeto de algum lugar, fechar um registro entre outras coisas… Gostaria de saber qual profissional procurar? Pois fico angustiada quando penso que em breve ele irá ter que trabalhar.

    By veronica on Aug 29, 2013

  132. boa noite , existe tratamento gratuito para adultos, pois passei a vida toda mascarando minha síndrome que não é doenta através de barbitúricos e preciso tomar uma atitude, mais saudável

    By nilson de aquino on Sep 13, 2013

  133. Olá! Nilson
    Acho que uma boa atitude seria você ver todas as mensagens acima, abrir todos os links citados e se informar o máximo possível sobre o problema lendo os conteúdos e assistido aos vídeos. Não gastei um tostão nisso e para mim funcionou. Hoje consigo conviver muito bem com a Síndrome sem a ajuda de remédios e com muito bom humor.
    Torço que dê certo para você também.

    By Zy Aganov on Sep 15, 2013

  134. Gostaria de que me informassem qual o tipo de TERAPIA os ASPIE acima fazem: psicanálise? psicólogos? terapia comportamental?
    Agradeço a quem puder me responder.

    Abçs. Elyan

    By Elyan C.Esteves on Sep 19, 2013

  135. gostaria de saber mais sobre s.a adulto,pois sofro com isso e minha esposa fica nervosa e naom entende ,estamos com problemas s/ relacionamento por exemplo.quem tiver esperiencias e algo sobre s.a adulto pode me ajudar com informaçoes

    By claudenor on Nov 1, 2013

  136. Olá pessoal, alguém pode me indicar um neuropediatra especialista em asperger em Curitiba ? Obrigada

    By Flavia on Nov 5, 2013

  137. Olá!!
    Flávia
    Entre no site abaixo, tecle Ctrl F e digite Curitiba.
    Tem vários especialistas. Um deles é neuropediatra.

    http://www.autismo-br.com.br/home/profissi.cgi

    Boa sorte

    By Persis on Nov 5, 2013

  138. Boa tarde! Meu filho tem 11 anos e só agora que descobri que tem asperg, não sei o que fazer pois é tudo novo para mim e ele pergunta o que ele tem, não sei o que dizer para ele, por favor ajudem-mim.

    By Amparo Miranda on Jan 28, 2014

  139. Bom dia, meu filho tem 4 anos, ainda estamos na busca de respostas (toda família), é um caminho difícil, as vezes tenho impressão de que não sei como ajuda-lo, mas estamos caminhando sempre, e nunca irei desistir. Para ajuda-lo a controlara a agitação, ansiedade, concentração e agressividade fazemos: dieta alimentar, e realmente altera sua agitação, principalmente com o gluten, ele toma Megavitamina, indicada pelo psicólogo que nos acompanha Dr Facion (ótimo profissional, não tenho nem palavras para descrever o quanto já nos ajudou), o que tbm auxilia muito, ele esta tomando neuleptil, porem estará sendo substituído, por mais que diminuiu um pouco a agressividade, melhora um pouco a concentração, aumentou muito a agitação e ansiedade. Neste caminho descobri uma neuropediatra em Curitiba que pode ajudar aos pais que ainda estão em duvidas, principalmente com diagnostico, Dra Mariane Wehmuth, tel 41-9789-7881, se pesquisarem o nome dela na internet poderão ver algumas coisas sobre o seu trabalho. Ainda estou na buscando respostas e ajuda, tudo é novo, mas caso necessitem de algo meu email é josie_pr@hotmail.com. Abraços a todos, e que Deus abençoe. Josi – mãe de um aspie.

    By Josi on Apr 15, 2014

  140. “As pessoas com autismo podem ser uma mais-valia para a sociedade”

    Por NICOLAU FERREIRA 07/06/2014

    Josef Schovanec, é o primeiro autista francês a publicar um livro. Nele conta a sua experiência de vida e defende que todos os autistas devem ir à escola, só assim é que podem aprender as regras sociais e a integrar-se na sociedade. Aos 32 anos, diz “estar a leste”. Este francês com síndrome de Asperger, uma forma de autismo, escreveu o livro Je suis à L’Est!. O título é um trocadilho entre estar alheado, uma característica associada aos autistas, e o facto de ter escrito parte em Samarcanda, no Uzbequistão. A Oficina do Livro edita-o agora com o título Sou Autista — O Extraordinário Testemunho de Um Génio à Parte. O humor do título original não só percorre o livro como polvilhou esta entrevista dada em Lisboa.
    Na obra, Josef Schovanec conta as dificuldades que teve na escola e que continua a ter no dia-a-dia, numa sociedade que ainda não está preparada para integrar os autistas. Ele estuda religiões e dá conferências sobre o autismo.Com um desenvolvimento anormal do sistema nervoso central, estas pessoas têm dificuldades de interacção social, de desenvolvimento da linguagem, comportamentos repetitivos e apegam-se às rotinas. Mas, ao defender que os autistas são importantes para a sociedade, o francês transformou a conversa com o PÚBLICO num elogio à diferença.

    - Nasceu em França. Pode falar um pouco das suas origens?

    Nasci em França, mas sou um viajante. Costumo viajar até ao Médio Oriente, pois fiz estudos religiosos sobre o islão. Para falar sobre o autismo, viajo bastante em França, onde há um grande atraso na integração dos autistas.
    Historicamente, as pessoas com autismo eram fechadas em instituições de saúde mental. Defendo uma revolução cultural, as pessoas com autismo ou com outras incapacidades devem ter uma vida autónoma, um trabalho, a sua própria casa. É por isso que nos últimos dez anos tenho saltado de lugar em lugar para falar sobre autismo. Cerca de 1% da população tem uma forma de autismo, é muita gente.

    - O que se faz com estas pessoas?
    - Como é que as tornamos produtivas?
    - Como é que lhes damos um papel na economia?

    Há vários graus de autismo. A sociedade tem de ter a mesma fórmula para toda a gente?
    Durante décadas, mesmo os grandes médicos e especialistas acreditavam que as pessoas com autismo tinham algum tipo de limitações mentais. Pode ser verdade nalgumas circunstâncias. Mas a razão principal para isso é que as crianças com autismo não vão à escola. Imagine uma criança que não vai à escola. Como é que pode aprender as coisas? Como é que pode conhecer a cultura onde está inserida? Acredito que quase 100% das crianças com autismo podem ir à escola. Nos Estados Unidos, 80% das crianças com autismo frequentam as escolas normais. Na Dinamarca são quase 100% das crianças com autismo. Claro que pode haver alguns desafios, tem de se criar um ambiente escolar para estas crianças.

    - Que tipo de ambiente é esse?

    Numa sala com alunos com autismo, um barulho como este [Josef Schovanec bate as mãos com força] pode matar a capacidade de pensar das crianças. Elas são interrompidas por este som estridente e deixam de saber o que fazer. Tem de se criar um ambiente sossegado. É preciso também um ambiente sem demasiada luz. Muitas crianças ou pessoas com autismo são sensíveis à luz. Se há muita luz não conseguem concentrar-se naquilo que estão a fazer.
    As crianças com autismo necessitam também de aprender todas as regras sociais, o que se chama “currículo oculto”. Por por exemplo, como se diz “olá”. Pode parecer muito fácil para uma pessoa sem autismo, mas para quem tem autismo é um grande desafio.

    - Porquê?

    Há partes do cérebro humano que estão especialmente feitas para as relações com as outras pessoas. Mas as pessoas com autismo podem ter algumas dificuldades nisto, têm de aprender exactamente o que devem fazer. As regras têm de ser claras e leva tempo até a criança aprender como se deve comportar.
    Se uma criança aprende a dizer “bom dia senhor” como se fosse um “olá”, chega à escola e vê um colega de sete anos e diz “bom dia senhor”. Mas não se diz “bom dia senhor” a uma criança. Estes são desafios que uma criança com autismo enfrenta e o professor tem de estar informado sobre o autismo, senão nada funcionará.
    Quando alguém vai a uma loja no Reino Unido ou nos Estados Unidos e diz “olá, tenho síndrome de Asperger”, toda a gente sabe o que isso é e tem uma boa impressão. Ser um Aspie [diminutivo para alguém com síndrome de Asperger] é algo quase positivo. Uma pessoa com autismo não é menos dos que os outros, somos apenas diferentes. As pessoas com autismo têm capacidades, têm algo a dar. Não são só pessoas caras para os Estados e um fardo para a sociedade. Os autistas podem também ser uma mais-valia, a questão é como é que se faz isso. A empresa alemã de software SAP decidiu no ano passado contratar centenas, ou talvez milhares, de trabalhadores com autismo por serem mais produtivos.

    - São mais concentrados?

    Quando se contrata uma pessoa sem autismo, ela vai trabalhar oito horas por dia, depois fica cansada e quer sair, ir a uma festa e ouvir Britney Spears. Alguém com autismo vai ficar a trabalhar até à meia-noite e vai dormir no escritório frequentemente. O que é de mais.
    Estou a exagerar um pouco. Mas essas pessoas podem ser muito dedicadas. Num encontro marcado para as 8h com uma pessoa autista, é certo que ela vai estar no local exactamente às 8h. Se se souber como essas pessoas funcionam, estará tudo bem. Claro que vamos ter alguns problemas, porque os autistas reagem de uma forma diferente, vão dizer “estás muito gordo”, o que pode magoar as outras pessoas. Normalmente, são muito directos.

    - Para um autista, é difícil fazer escolhas?

    É impossível. Porque as pessoas com autismo seguem as regras. Se um pai de uma criança com autismo diz à criança que não pode atravessar a rua neste local, ela nunca vai atravessar a rua naquele local.

    - Mas quando se cresce, não se consegue ser mais crítico em relação à forma como se obedece às regras?

    É necessário tempo e aprendizagem. Não é fácil. Por exemplo, se eu tiver uma entrevista de trabalho com um chefe de uma empresa, tenho de lhe provar que sou o empregado certo. Mas as pessoas com autismo vão dizer “não sou assim tão inteligente”, “tenho problemas”, “ando bastante deprimido”, “provavelmente vai encontrar pessoas melhores”. Os autistas são objectivos. Isto é um grande problema. Tenho amigos que estão a tentar criar programas de orientação profissional para pessoas com autismo. Se não houver este tipo de oportunidades, elas ficam desempregadas. Eu nunca tive sucesso numa entrevista de trabalho.

    - Que problemas teve na escola?

    O problema principal foi que não me fizeram um diagnóstico correcto. Fui diagnosticado bastante tarde, há apenas 11 anos. As crianças com autismo têm de ser diagnosticadas antes dos dois anos. Quando é diagnosticada com um ano ou um ano e meio, é perfeito, pode-se fazer muitas coisas. Os cérebros das crianças desta idade têm um nível alto de plasticidade.
    A mim, consideravam-me uma criança com muitos problemas: tinha ansiedade extrema, nunca comia na escola. Mais tarde, diagnosticaram-me esquizofrenia, o que acontece a muitas pessoas com autismo. Por isso, tomava muitos medicamentos. Houve muitos anos em que deixei de ir à escola. Mas tive muita sorte. De alguma forma, nunca cheguei a estar completamente fora do sistema, os meus pais eram muito activos [para evitar isso].

    - Por que é que os autistas se interessam tanto por detalhes?
    Há a teoria oficial sobre esse assunto, mas eu tenho a minha teoria. A oficial é que as pessoas com autismo se interessam por detalhes porque sim. Eu acho que o que se considera serem “detalhes” é apenas uma construção social. O meu amigo autista britânico Daniel Tammet, autor do livro Nascido Num Dia Azul, memorizou mais de 22.000 números decimais do Pi, o número 3,1415… Pode-se pensar que ele é louco ou um génio, ou ambos. Mas definitivamente não é normal. Mas alguns fãs de futebol podem dizer todos os resultados dos jogos de todas as equipas, não só de agora como de há dez anos. Estas pessoas são consideradas normais, não são autistas. Mas memorizar os resultados dos jogos de futebol ou os números decimais é tecnicamente a mesma coisa. Só que do ponto de vista cultural, alguns tópicos são considerados normais e outros não.

    - Por que decidiu dar conferências sobre autismo e escrever este livro?

    Tenho de o fazer. Não há muitas pessoas a fazerem isto. Não conseguiria dormir à noite se não fizesse nada. Há tantos casos de famílias [com pessoas autistas] extremamente angustiadas. Muitos dos meus amigos passaram dez a 20 anos em hospitais psiquiátricos. Essas pessoas não têm de estar ali, o autismo não é uma doença mental, não é algo que se possa ou se deva curar com comprimidos. Por outro lado, conheci nessas conferências pessoas incríveis. Quem trabalha com pessoas com autismo diz que é o melhor dos trabalhos. Conhece-se gente que nunca se iria conhecer na vida. Por exemplo, o Daniel Tammet aprendeu islandês em apenas uma semana. Um outro amigo com autismo está no Livro Guinness porque tem mais de 1000 utensílios no seu casaco.

    - E por que escreveu o livro?

    Comecei por não querer escrever o livro. Um dia, um editor francês veio ter comigo e foi muito convincente. Convidou-me para ir a um restaurante e falou-me do projecto de escrever um livro. Eu estava a tentar ser educado, ao estilo japonês, e no final do almoço, perguntaram-me “sim ou não?”. Não quis ser ofensivo e disse “sim” [risos]. Depois, apercebemo-nos de que este livro era o primeiro de um francês com síndrome de Asperger. Em inglês há milhares de livros escritos por autistas. Espero que as pessoas com autismo de todos os países comecem a escrever livros porque terão histórias interessantes para contar.

    - Por que só agora é que um autista francês é que escreveu um livro?

    Em França, há uma grande tradição em psicanálise, que tenta explicar as especificidades do autismo. Explicam as particularidades dos comportamentos das crianças com autismo pelo papel da mãe na educação. Normalmente, não usam o termo “autista”, dizem que esta ou aquela criança se comporta de uma forma estranha porque a mãe não a amou ou porque foi uma má mãe. E tentam analisar cada comportamento a partir dos conceitos da psicanálise. O que pode levar a um absurdo total.

    - O que faz essa abordagem às pessoas com autismo?

    Para curar a criança com autismo, a psicanálise diz que é preciso cortar a ligação entre a mãe e a criança. Por isso, põem a criança num hospital psiquiátrico. E neste local isolado, ela não vai obter a educação necessária. Vão dar-lhe algum tipo de neuroléptico [sedativo]. O resultado é um desastre completo: não vai aprender a falar, a ler e a escrever. E 20 anos depois, o que é que se vai fazer com estes jovens adultos?

    - No livro, diz que não gosta de se definir como um “Aspie” ou autista. Porquê?

    Para muitas pessoas, o termo “autismo” é mau. É como dizer “sou estúpido”. Se estivermos com amigos, tudo bem, mas se alguém estiver numa entrevista de emprego e disser “sou autista”, o empregador não lhe vai dar o emprego. De alguma forma, sou cobarde, porque se as pessoas com autismo não o assumirem, a sociedade não vai progredir para uma situação onde há uma melhor inclusão de pessoas diferentes.
    O autismo faz parte de um assunto maior. Há problemas muito semelhantes como a esquizofrenia. Chamam-lhes as incapacidades invisíveis, em que a pessoa tem uma aparência normal. Cerca de 15% da população da Europa ocidental tem uma forma de incapacidade, mas apenas 1% destes 15% está numa cadeira-de-rodas. A vasta maioria tem incapacidades invisíveis. A sociedade tem muito a retirar destas pessoas e não pode viver com mais de 10% de pessoas fora do mercado de trabalho. Tem de se tentar mudar esta situação.

    By Persis on Jun 8, 2014

  141. Meu filho tem 13 anos e a principio se achava que era TDAH. Mas alguns sintomas não batem. Ele ficava extremamente agressivo e depois me pedia desculpas e quase enlouquecemos. Ainda não fechamos o diagnóstico, mas ele toma depakote sprinkle 125mg 2x ao dia. Não causou nenhum efeito colateral e melhorou muito o comportamento dele. Quando ele não toma a medicação, voltam todos os sintomas.

    By Ana Balzana on Jul 8, 2014

  142. Olá, estou tentando salvar meu casamento. Meu marido apresenta todos os sintomas do asperger. Ele, muito culto e esclarecido que é, já desconfiava e eu não tenho dúvidas. Quero muito ajudá-lo a ser feliz e a construir uma vida mais “equilibrada” com ele.O que mais atrapalha nossa vida é a sua apatia, falta de atitudes para tudo e insociabilidade Moramos no Rio e preciso de uma indicação de algum neurologista especializado no assunto. Muito obrigada!!

    By Sabina on Jul 27, 2014

Post a Comment

Spam protection by WP Captcha-Free