Como tratar a agressividade em crianças: Crianças agressivas

A agressividade em crianças e a forma que os pais devem entender e tratar este problema

A criança agressiva na escola e em outros ambientes provocam abalos nas estruturas dos relacionamentos, tanto da própria criança quanto na vida e na dinâmica dos pais

Lisboa e Koller (2001) relatam que a agressão é uma das emoções humanas mais importantes, por ter influência direta sobre o desenvolvimento pessoal e a vida em grupo. Crianças estão aptas a enfrentarem mudanças de papeis ou transições no contexto no qual se desenvolvem. E estas mudanças tendem a desadaptar a criança. A agressão que pode emergir desta situação tem a função de comunicação e esta relacionada à adaptação. Adotando desta forma um comportamento agressivo para buscar a readaptação ao contexto.

Kagan, Conger e Mussen (1977) comentam que a agressividade é todo comportamento cuja intenção é causar dano ou prejuízo no outro, como comportamentos de bater, chutar, discutir, atacar verbalmente.

Já a hostilidade é o desejo ou a motivação em magoar alguém. A motivação hostil vem de uma ampla gama de comportamentos agressivos.

As formas como as crianças exibirão esse tipo de comportamento dependerá de muitos fatores, dentre eles a intensidade de sua motivação hostil, o grau de sua frustração ambiental, os reforços recebidos por comportamentos agressivos, observação e imitação de modelos agressivos e o nível de sensação e culpa relacionado à agressão.

Para os autores a forma, estilo e freqüência das respostas agressivas das crianças são em grande parte fruto da aprendizagem social. Na nossa própria cultura, geralmente os meninos recebem mais encorajamento (reforços) e menos são punidos por comportamentos agressivos, ao contrário das meninas (Kagan,Conger e Mussen, 1977).

Lisboa e Koller (2001) comentam que razões biológicas, culturais e sociais são responsáveis por esta diferença.

Biologicamente meninos apresentam desenvolvimentos distintos das meninas, e os estudos neurológicos evidenciam esta diferença em termos  de sinapse neuronais.

Kagan, Conger e Mussen (1977) relatam que meninos não são suscetíveis à ansiedade perante a agressão em comparação às meninas, e na fase pré-escolar, os meninos demonstram expressar mais agressividade tanto nos brinquedos, como em lutas corporais, ataques físicos, empurrões, etc.

Lisboa e Koller (2001), relatam que a agressividade assume estas formas  de acordo com a direção e os objetivos para os quais se destinam.

Soifer (1991) relata que em conseqüência dos desenhos animados, das propagandas, cujos personagens as crianças tendem a imitar, acabam por gerar na criança comportamentos semelhantes àqueles assistidos.

Para a autora, os supostos heróis de programas apresentados diariamente na televisão incitam a criança a cometer atos imprudentes e perigosos, como se atirar no espaço para voar, fazer traquinagens, e até mesmo ato de agressão contra os outros.

Segundo Lisboa e Koller (2001) em casos extremos o comportamento agressivo na infância pode resultar em casos de delinqüência, criminalidade, doença mental, evasão escolar e desempenho escolar pobre.  Sobre estas condições é evidente que a cultura e o sócio-histórico exerçam forte influência no comportamento.

Silveira (1999) relata que a agressividade é um comportamento natural, pois cada um tem suas crenças e seus valores individuais.

Comenta o autor que a agressividade têm vários significados de cultura para cultura, ou seja, se a agressividade for vista como sinônimo de ambição é estimulada e bem vista, mais se ela for sinônimo e percebida como hostil é rejeitada e mal vista.

Lisboa e Koller (2001) relatam que a agressividade muitas vezes esta relacionada à adaptação ao contexto social. Podendo desta forma expressar um pedido de ajuda ao ser identificada como uma tentativa mal sucedida de adaptação. A criança, na tentativa de se adaptar ao mundo, escolhe de forma ineficaz os recursos que têm como disponíveis gerando perturbação no ambiente e resultando em conseqüências negativas ao próprio desenvolvimento. A criança utiliza muitas das vezes a agressividade para controlar pessoas e eventos ou para resistir a imposições externas. A expressão de agressividade da criança depende do contexto sócio-historico na qual esta inserida.

 

  1. 3 Responses to “Como tratar a agressividade em crianças: Crianças agressivas”

  2. Trabalho com crianças há 18 anos.Percebo que as coisas n’vão muito bem nos lares dessas cças.Essa materia vai ajudar -me e encontrar soluçoes para ajudar e ter um bom trabalho com todos esses.Obrigada.

    By Maria A. Araujo on Nov 28, 2011

  3. Meu filho tem cinco anos e é muito agressivo, como faço pra controlar isto.

    By taise on Feb 5, 2013

  4. Boa noite
    Tenho um filho de 14 anos com sintrome de tourrete e deficiencia intelequitual, ele esta muito agressivo e nao estamos encontrando nenhum remeio que segure
    Sua agressividade .

    By xislene on May 12, 2013

Post a Comment

Spam protection by WP Captcha-Free