Alterações de humor durante a gravidez: Crises emocionais, ciúme, rejeição, baixa auto-estima

As crises emocionais da mulher durante a gestação: ciúme, baixa auto-estima, maior sensibilidade, rejeição, impaciência, choro, depressão, ansiedade, etc.

As alterações físicas e psicológicas que ocorrem durante a gravidez são aspectos importantes para que se entenda os mecanismos e as consequencias que provoca na dinâmica da gestante e que podem afetar a relação social.

Crises emocionais durante a gravidez podem estar relacionadas a diversos fatores que, sendo conhecidos, podem ser trabalhados para amenizar e compreender suas influências.

A gravidez se constitui como um momento de transição, já que a mulher terá que reformular sua personalidade e definir novos papéis; além de mulher ou filha agora será também mãe. Mas, seria importante lembrar que o nascimento de um filho é uma experiência familiar, que o mesmo processo de mudança de identidade e de papel se verifica também no homem.

Em relação ao casamento, tomando como referência as idéias de Maldonado (1985), a gravidez pode tanto levar a uma maior união e envolvimento do casal, como pode constituir uma ameaça ao casamento. Isso vai depender de como o casal irá vivênciar essa nova experiência. É comum o homem se sentir rejeitado, pois , a mulher normalmente irá deslocar a sua atenção para o bebê, o amor intenso que a mulher sentia pelo seu companheiro agora é deslocado para o bebê, dando assim um sentimento em seu parceiro de que a sua missão está cumprida, que o seu papel é somente de um mero reprodutor. Este tipo de relacionamento suscita no homem uma ambivalência de emoção: está o filho amado, que ao mesmo tempo desperta ciúmes. Foi programado com a intenção de criar uma  maior união do casal e está servindo como um instrumento de distanciamento. Essa situação se apresenta de maneira clara no momento do nascimento do bebê caracterizando uma relação triangular.

Uma relação triangular , conforme cita Maldonado (1985), trata-se de um modelo de relacionamento básico e caracteriza-se como um aprendizado de todas as ouras formas de relação, sendo assim muito importante para o desenvolvimento emocional do indivíduo.

A mulher vivência no decorrer do processo gravidíco etapas evolutivas com típicas alterações fisiológicas que irão contribuir para os diferentes estados psicológicos observados. Irei sintetizá-las delimitando-as em três períodos distintos, cada qual com sintomas e experiências psicológicas específicas.

Principais alterações no Primeiro Trimestre

Mesmo antes de uma confirmação clínica da gravidez não é raro a mulher captar a nível inconsciente as alterações fisiológicas decorrentes da gestação e expressar esta percepção através de sintomas como:  hipersonia, sonhos, fome, náuseas e vômitos, diarréia ou constipação, oscilações de humor.

A hipersonia se caracteriza como um aumento do sono, que segundo Soifer (1971), pode ser entendido como um fenômeno em termos de regressão e identificação da mulher com o feto.  Podemos pensar na regressão como uma forma da mulher estar  se identificando com o bebê para melhor entender as suas necessidades e desejos. Pode significar também uma maior aproximação e aceitação da gravidez, já que durante o sono a mulher esta desligada do mundo externo compartilhando do mesmo processo que o bebê, que é o dormir junto.

Como cita Rappaport (1981), “ a hipersonia é o inicio da organização defensiva que mobilizará contra as ansiedades especificas da gestação”, ou seja, repousar é poder se desligar das ansiedades e preocupações, bem como se fortalecer para enfrentar os momentos de crise.

Segundo Rappaport (1981), os sonhos aparecem na mãe sempre com relações simbólicas, mesmo antes da descoberta da gravidez. Os temas básicos dos sonhos são filhotes de animais, crianças ou objetos continentes (objetos onde há coisas dentro, objetos que simbolicamente representam o corpo da mãe).

Essas relações simbólicas são também transmitidas para o pai  e irmãos maiores, que inconscientemente percebem a gravidez.

As crianças maiores começam a apresentar atitudes de ataque em relação a mãe e  “comportamento de manha”, já os parceiros podem apresentar sonhos com temas relacionados a perda e rivalidade, que podemos entender como um medo de estar perdendo a atenção da mulher que vai estar colocando a criança no foco de sua atenção ou uma regressão ao momento da resolução do seu Édipo, aonde estava presente uma ambivalência de sentimentos.

A fome surge nesse período como uma forma inconsciente de estar colocando para dentro de si coisas boas, é muito comum escutarmos grávidas falando que estão “comendo por dois”, é obvio que a grande quantidade de comida não está sendo usada para alimentar o feto já que o mesmo é ainda muito pequeno.

Mesmo a fome sendo reconhecida como uma forma de aceitação, não podemos deixar de levar em consideração  as observações de Maldonado (1985), ao citar que o aumento de apetite pode também significar uma autoproteção uma forma de compensar as perdas que o bebê esta causando ao organismo da mãe ao sugar suas energias.

Para Rappaport (1981), as náuseas e vômitos são aspectos comuns no início da gravidez, mas a permanência e persistência desse sintoma pode indicar a influência de fatores psicológicos. As náuseas e vômitos significam uma não aceitação da gravidez, algo inteiro dentro de si que causa ansiedade e deve ser eliminado.

A constipação e a diarréia segundo citações da autora: “são correlatos anais da fome e da náusea”, ou seja , na constipação, tal qual na fome, sugere uma aceitação, uma tentativa de reter dentro de si um produto que é precioso. Na diarréia, tal qual na náusea,  o sintoma surge na tentativa de expelir algo interno que causa ansiedade e deve ser eliminado.

As oscilações de humor estão relacionadas as alterações hormonais e no metabolismo decorrentes da gravidez, e não necessariamente, alterações psicológicas.

Entre as alterações emocionais pode ocorrer maior sentimento de insegurança, baixa auto-estima devido às mudança na imagem corporal, ciúme, necessidade de maior atenção, choro, fragilidade, etc.

  1. One Response to “Alterações de humor durante a gravidez: Crises emocionais, ciúme, rejeição, baixa auto-estima”

  2. eu queria sabe pq? eu tou com depresaçao! e na gravidez mas tem hora que eu nao O BEBE MAS E VQUE EU MAS QUERO EU SOHEI MUITO PARA TER ESSE BEBE

    By patricia on Jun 29, 2011

Post a Comment

Spam protection by WP Captcha-Free