Ciúme doentio: Como aprender a controlar este sentimento e reconhecer a força interna para se superar em um relacionamento

Ciume doentio: Como aprender a controlar o ciúme e não ficar inseguro no relacionamento

O ciúme doentio é um sentimento profundo e intenso que muitas pessoas experimentam em um relacionamento. Muitos sofrem com este sentimento, se sentem perdido e descontrolado, pois a percepção e a autoestima fica comprometida. Voce pode fazer um teste de ciúme neste site. Clique em teste de ciúme

Sofrer por ciúme não é fácil e deixar de sentir isso é ainda mais difícil para quem está vivenciando esta situação, pois não encontra saídas, muitas vezes sabe que o que percebe, o que vê e o que o outro fala não transmite segurança, alimentando um círculo vicioso que parece nunca ter fim.

O ciúme doentio provoca muito sofrimento e até comportamentos perigosos, quer seja pela impulsividade do ciumento em querer resolver as coisas de forma extremada, quer seja pela incapacidade do ciumento de conseguir se conter, se controlar e de enxergar a situação de maneira menos negativa.

O ciúme patológico ou ciúme doentio por muitas vezes aparece na mídia, jornais, revistas, TVs, em noticiários de suicídio ou assassinatos provocados por pessoas que vivenciaram situações tão desesperadoras que a única forma que encontraram para sair desta situação foram estes atos.

Uma das formas de se conseguir entender o porque ocorreu este sentimento no relacionamento é fazer um retrospectiva de situações que foram dando corpo a este ciúme e a partir desta reflexão associar a própria valorização pessoal com estes acontecimentos.

O principal combustível do ciúme doentio é a própria insegurança de quem vivencia a situação. Mesmo que a situação de ciúme esteja sustentada por uma real traição do outro, vivenciar o ciúme, sofrer com a situação e perdurar neste sofrimento está diretamente relacionado com aquilo que você quer, deseja e espera do relacionamento.

Quando ocorre uma real traição, a pessoa traída precisa se rever na situação, refazendo suas expectativas e reavaliando sua posição neste relacionamento.

Estando com a autoestima elevada, valorizando-se pessoalmente, a pessoa pode em qualquer momento da relação repensar se ainda vale a pena o investimento no outro, se ainda vale a pena reconstruir o que foi destruído e se ainda vale a pena perdoar ou ser perdoado para que se refaça a partir de uma situação tão delicada.

Se, ao contrário, a pessoa estiver com a autoestima rebaixada, sentindo-se inferior, rejeitada, trocada ou menosprezada, provavelmente terá mais dificuldade de repensar, de se reposicionar e de entender suas próprias expectativas, o que pode gerar um sentimento de querer lutar por algo que não sente forças, de querer descobrir ainda mais, de sofrer ainda mais numa penitência que não vale a pena.

A busca pelo atendimento psicológico, a ajuda de um profissional, pode facilitar este processo, permitindo que a pessoa de revalorize, perceba que é merecedora da retribuição de sua capacidade de amar.

Sofrer por ciúme é sofrer pela própria insegurança. Nossa felicidade nunca está nas mãos do outro, nós podemos fazer nossa felicidade e podemos construir relações merecedoras de nosso amor.

Amar demais não é problema, amar e não ser correspondido provoca insegurança, a insegurança diminui nossa autoestima e nos deixa vulnerável.

Se conhecer, se reconhecer, se sentir merecedor de algo bom, poder compartilhar nossa capacidade de amar é saudável e requer principalmente nossa atenção para isso.

 

Teste psicológico sobre o amor: Descubra qual é o estilo do seu amor.

Como voce ama? Como definir o amor? Quais os Estilos de Amor

Como descrever o amor? Pesquisadores têm se preocupado ao longo de muito tempo sobre como é o amor, quais suas manifestações e como podemos identificar a forma que alguém ama outra pessoa.

Veja sobre testes psicológicos, clique também em teste de personalidade; clique em teste de ciúme, clique em teste do amor

Baseados na Teoria de estilo de amor, de Alan John Lee, os psicólogos Susan Hendrick e Clyde Hendrick fundaram uma escala de atitudes amorosas segundo a qual existem seis tipos de amor

Eros: representa a parte consciente do amor que uma pessoa sente por outra. É o amor que se liga de forma mais clara à atração física, e frequentemente compele as pessoas a manterem um relacionamento amoroso continuado. Sente atração imediata pelo parceiro. Essa atração é causada principalmente pela aparência deste. A sexualidade desempenha um papel muito importante e pode começar logo no início do relacionamento. Não está à procura do amor, mas não teme se entregar a ele. Afirmação típica de quem tem esse estilo: “O nosso relacionamento sexual é muito intenso e satisfatório”.

Pragma: (do grego, “prática”, “negócio”) seria uma forma de amor que prioriza o lado prático das coisas. O indivíduo avalia todas as possíveis implicações antes de embarcar num romance. Se o namoro aparente tiver futuro, ele investe. Se não, desiste. Cultiva uma lista de pré-requisitos para o parceiro ou a parceira ideal e pondera muito antes de se comprometer. Procura um bom pai ou uma boa mãe para os filhos e leva em conta o conforto material. Está sempre cheio de perguntas. O que será que a minha família vai achar? Se eu me casar, como estarei daqui a cinco anos? Como minha vida vai mudar se eu me casar?

Amor interessado em fazer bem a si mesmo, Amor que espera algo em troca. Afirmação típica de quem tem esse estilo: “Eu tento planejar a minha vida cuidadosamente antes de escolher um amor.”

Storge: É o nome da divindade grega da amizade. Por isso, quem tende a ter esse estilo de amor valoriza a confiança mútua, o entrosamento e os projetos compartilhados. O romance começa de maneira tão gradual que os parceiros nem sabem dizer quando exatamente. A atração física não é o principal. Os namorados-amigos não tendem a ter relacionamentos calorosos, mas sim tranquilos e afetuosos. Preferem cativar a seduzir. E, em geral, mantêm ligações bastante duradouras e estáveis. O que conta é a confiança mútua e os valores compartilhados. Os amantes do tipo storge revelam satisfação com a vida afetiva. Normalmente os casais com este tipo de amor conhecem muito bem um ao outro. Esse tipo de amor nasce normalmente a partir de uma amizade e demora um bom tempo para se desenvolver. Ele é baseado em interesses compartilhados e nas semelhanças entre os parceiros. As atividades em conjunto são importantes. A paixão e o sexo não são muito importantes nesse estilo. Afirmação típica de quem tem esse estilo: “O melhor tipo de amor é aquele que se desenvolve a partir de uma longa amizade.”

Agape (Philia): Esta é a maior forma de amor que existe. Este é um amor incondicional pelos outros, apesar das falhas de seu caráter e fraquezas. É um amor difícil de obter simplesmente porque nós, como seres humanos, estamos geralmente mais preocupados com nós mesmos e como o mundo e as pessoas ao nosso redor nos afetam. Para amar da maneira agape, devemos superar nosso egoísmo e olhar para as necessidades dos outros. É  composto de Estorge e Eros. É o estilo de amor apregoado pelos cristãos. Quem ama dessa forma coloca o interesse e o bem-estar do parceiro antes do seu e está disposto a fazer grandes sacrifícios para ajudá-lo. A ausência de egoísmo é uma das características centrais desse tipo de amor. Afirmação típica de quem tem esse estilo: “Eu prefiro sofrer a fazer o meu amor sofrer.”

Ludus: o amante lúdico espera que o amor seja prazeroso  e não comprometedor; ele é na verdade  colecionador de experiências de amor, que serão relembradas com prazer. Esse é o amor do tipo praticado por Don Juan e outros conquistadores. Após a conquista o interesse diminui. Quem ama dessa forma é capaz de ter relacionamentos amorosos simultâneos com vários parceiros. Esse é o tipo de amor ao qual se aplica a afirmação: “O amor é eterno enquanto dura.” Afirmação típica de quem tem esse estilo: “Eu gosto de jogar o jogo do amor simultaneamente com diferentes parceiros.”

Mania: (composto de Eros e Ludos). O amor é experimentado de uma forma quase obsessiva e domina muitos momentos e pensamentos. Quem ama dessa forma sente necessidade de se fundir completamente com o amado. Afirmação típica de quem tem esse estilo de amor: “Quando meu amor não me dá atenção eu me sinto completamente doente.”

 

Psicologia Jurídica e Psicologia Forense no Brasil: Atuação do Psicólogo Jurídico nas diferentes varas da Justiça

A Psicologia Jurídica no Brasil está subdividida da seguinte forma:· Psicologia Jurídica;  Psicologia Forense; Psicologia Jurídica e o Direito de Família; · Psicologia Jurídica e Direito Cível;· Psicologia Jurídica do Trabalho;· Psicologia Jurídica e o Direito Penal (fase processual);· Psicologia Judicial ou do Testemunho;· Psicologia Penitenciária (fase de execução);· Psicologia Policial e das Forças Armadas;· Psicologia da Vitimologia; Psicologia Forense da Mediação

A Psicologia Jurídica ou Psicologia Forense atua em diferentes áreas da Jusitiça a saber:

  1. Varas de Família e Varas Cíveis: peritos, assistentes técnicos, mediadores, conciliadores e árbitros
  2. Varas da Infância e Juventude: medidas de proteção
  3. Varas Especiais: medidas sócio-educativas (Fundação Casa, ONGs)
  4. Sistema prisional, Psicologia do Testemunho
  5. Psicologia Policial, Delegacias Policiais: da Mulher, da Criança e do Idoso
  6. Docentes e pesquisadores em Psicologia Jurídica

Uma área da Psicologia Jurídica ou Psicologia Forense importante e que tem crescido a atuação de profissionais nos últimos tempos é a Psicologia Judiciária
Este é o ramo da Jurídica responsável pela assessoria judiciária, pela Mediação de casais em litígio e pelo tratamento de vítimas de vio­lência doméstica. O objetivo é a prevenção e o tratamento

O Psicólogo Jurídico colabora no planejamento e execução de políticas de cidadania, direitos humanos e prevenção da violência, centrando sua atuação na orientação do dado psicológico para os juristas. Ele possibilita a avaliação das características de personalidade e fornece subsí­dios ao processo judicial, além de contribuir para a formulação, revisão e interpretação das leis.

 

Autismo Infantil: Transtorno Autista atípico: Critérios e sintomas do transtorno autista infantil

Transtorno Autista atípico: Critérios e sintomas do transtorno autista infantil

Uma das formas de apresentação do transtorno autista em crianças pode ser o Autista Atípico.

O Transtorno autista atípico é um transtorno invasivo do desenvolvimento que se caracteriza por sintomas que não satisfazem por completo as características do transtorno autista.

Estas crianças apresentam deficiências de comunicação, mas o fenótipo mais amplo de autismo apresenta menor variação.

Classificam-se neste transtorno  os pacientes que têm um início mais tardio (ou seja, , após 3 anos de idade) do transtorno autista.

Pode ocorrer ainda o transtorno residual autista, ou seja, indivíduos que tinham uma história de ter o transtorno autista, mas atualmente não cumprem os critérios para transtorno autista (ou seja, ainda com algumas características autistas posterior de intervenções eficazes e / ou desenvolvimento natural)

O transtorno autista atípico envolve deficiências na comunicação, isolamento, preferência por falta de contatos, comprometimento social, na fala, interesse por um mundo mais particularizado e por objetos rotatórios, porém demonstram afeto, conseguem concentração quando direcionados, apresentam mais facilidade para intervenção e apresentam melhoras clínicas mais consistentes.

Outra diferença que precisa ser avaliada é o transtorno de Asperger.

Verifique sobre transtorno de Asperg ou Síndrome de Asperger, características e sintomas para melhor identificação e avaliação dos transtornos de desenvolvimento em crianças e adolescentes.

Acesse estas categorias no site ou clique nos links destacados.

 

Tipos de Autismo Infantil: Como identificar o Autismo e diferenciar Autismo de outros transtornos do desenvolvimento infantil

Qual é a diferença entre autismo e transtorno invasivo do desenvolvimento, não especificado de outra forma?

As características do Autismo infantil e de outros transtornos do desenvolvimento como por exemplo o transtorno de Rett ou transtorno desintegrativo na infância apresentam sintomas que podem confundir por algumas semelhanças no comprometimento da criança.

A perturbação não é melhor explicada por Transtorno de Rett ou transtorno desintegrativo da infância.
O diagnóstico de transtorno invasivo do desenvolvimento não-especificado (PDD, NOS) é um diagnóstico que caracteriza-se por prejuízo severo e persistente em responder adequadamente na interação social que está associada aos seguintes fatores:

1) comprometimento nas habilidades de comunicação verbal ou não verbal

2) o comportamento estereotipado e interesses restritos e atividades.

Este diagnóstico é feito quando os sintomas ou as características não satisfazem os critérios para um transtorno invasivo de desenvolvimento específico, transtorno esquizotípico de personalidade, transtorno de personalidade esquiva ou outros transtornos psiquiátricos.
Embora, a DSM-IV-TR não oferece critérios diagnósticos específicos para os transtornos invasivos da infância não especificado, há pelo menos cinco subgrupos de indivíduos dentro entres transtornos.

Abaixo mencionamos alguns transtornos relacionados às características da criança autista, porém denominados no DSM IV como outros transtornos invasivos do desenvolvimento a saber:

  • Transtorno Autista atípico
  • Transtorno residual Autista
  • Transtorno Asperger ou Síndrome de Asperger
  • Transtorno Misto Autista
  • Transtorno invasivo não específico
  • Comorbidade Autista

Veja sobre estes transtornos, suas características e sintomas na categoria autismo infantil neste site.

 

O que é insanidade mental? Quais os sintomas de uma insanidade mental

O que é insanidade mental

A insanidade mental e a neurastenia: Desenvolvimento de psicose estados confusionais da mente

Representando o estado normal do ego por uma linha horizontal as divergências que ocorrem nesta linha mental de “normalidade” são classificadas por graus de alienação na seguinte ordem de grandeza crescente, ou seja: demência precoce, paranóia, insanidade maníaco-depressiva, melancolia, psicoses e psicoses tóxicas e/ou por exaustão.

A insanidade na puberdade e adolescência, ocorre antes da idade de 20 anos, às vezes pode entrar em silêncio e insidiosamente com um longo período de pseudo-neurastenia.

A paranóia é uma forma de grave e progressivo transtorno mental que vem depois da adolescência e tem uma tendência a um curso cíclico em que co-existem na primeira depressão com mau humor, desconfiança, egoísmo, e um sentido de ser mal tratado, em seguida com delírios sistematizados e às vezes, explosões de excitação ativa.

O curso é longo, mas a tendência é menor para a demência, pois, embora o grau de alienação é grande a deterioração orgânica do cérebro é quase desprezível.

A condição conhecida como insanidade maníaco-depressiva, é mais difícil de se reconhecida.

Percebemos com maior facilidade alguns sintomas, mas a melancolia da mania aguda é um fato verdadeiro e raro.

Mas há uma insanidade depressiva que começa cedo na vida, freqüentemente se desenvolve por pequenas causas  e se repete uma e outra vez, com ligeira tendência para a demência.

A melancolia crônica de meia-idade e mais tardia e muitas vezes é anunciada por um “histórico de prostração nervosa ou do obscuro ataques nervosos a partir dos 20 anos ou mais tarde”.

Esta melancolia pode ser facilmente entendido por uma psicose pura, ou como se chama vulgarmente de  loucura maníaco-depressiva na juventude que pode se tornar crônica com complicações e alterações degenerativas da vida adulta.

 

Teste psicológico com uso do Desenho da Figura Humana DFH

O emprego do desenho como técnica projetiva levou pesquisadores a descobrir que os conflitos mais profundos freqüentemente se refletem prontamente no papel, pois se pode  observar que os sujeitos expressam no desenho , às vezes de forma bastante inconsciente,  mas com muito maior liberdade,  os sentimentos dolorosos que são negados tanto na escrita quanto nas verbalizações.

Em outras palavras, podemos dizer que o desenho provoca associações conscientes e inconscientes, aspectos que o sujeito pode até mesmo não ter conhecimento. Isso ocorre,  pois como o desenho é uma maneira pouco usada de comunicação, diferentemente da fala e da escrita, seu conteúdo simbólico é menos reconhecido.

Van  KOLCK (1966) diz ainda que o desenho não é uma fotografia, isto é, não constitui uma reprodução fiel da realidade, mas sim a interpretação desta pelo sujeito. Através da interpretação do estilo e do conteúdo do desenho o psicólogo pode chegar mais próximo da compreensão da personalidade e problemática do sujeito; como vê as coisas, como se expressa e se sente diante delas. Assim,  pode-se apreender a maneira peculiar de ser e de  sentir do sujeito que desenha.

Quando o sujeito está desenhando ou sendo questionado a respeito de suas produções gráficas, manifesta sua reação emocional às relações, situações, necessidades ou pressões que ele vê ou sente que estão direta ou simbolicamente representadas ou sugeridas por um ou mais desenhos ou ainda por alguma parte deles.

Pode-se compreender que no momento da aplicação do desenho este representa o indivíduo e a folha de papel passa a representar o ambiente. Desta forma, tudo passa a ser expressão: o tamanho, o detalhamento, as linhas, a pressão do lápis, tensão muscular e aspectos da  fisionomia do sujeito que desenha. Então, analisando todo contexto pode-se ver o aspecto projetivo do desenho.

O desenho é uma das mais antigas formas de expressão e comunicação humana sendo anterior a própria linguagem escrita. Os homens primitivos, ancestrais humanos, deixaram as marcas   de seus interesses desenhadas e esculpidas nas rochas o que até hoje nos revela a tônica de seus interesses. Da mesma  forma povos de procedências mais remotas ou altamente civilizados exprimiram pelo desenho, esculturas, pinturas e outras produções artísticas sua cultura, organização social, religião, sentimentos e aspirações.

Os primeiros estudos relevantes sobre o  desenho como fenômeno expressivo foram realizados com desenhos infantis e voltados à investigação da evolução do desenvolvimento infantil através da expressão gráfica. Posteriormente percebeu-se que outros aspectos estavam ali manifestos. Podia-se identificar aspectos psicológicos, culturais e sociais. “O desenho tem ocupado lugar de destaque como instrumento indispensável. Desde a escala métrica de inteligência elaborada por Binet e Simon em 1905, o desenho tem sido empregado em e como teste de desenvolvimento mental e de aptidões específicas, assim como em testes para aptidões especiais” (Van KOLCK 1984).

 

Autismo infantil: Principais sintomas que os pais podem detectar em uma criança autista

Principais sintomas da criança autista. Características que facilitam detectar uma criança autista

A maioria dos lactentes e crianças jovens são criaturas muito sociais que precisam e querem contato com os outros para prosperar e crescer.

As crianças normalmente sorriem, abraçam, riem, e respondem ansiosamente nas brincadeiras e diante de brinquedos.

Ocasionalmente, no entanto, uma criança não interage dessa maneira esperada.
Em vez disso, a criança parece existir em seu próprio mundo, um lugar
com caracterizadas por rotinas repetitivas, olhar estranho e comportamentos peculiares, apresenta problemas na comunicação, e uma total falta de consciência social ou interesse pelos outros. Estas são características de um transtorno do desenvolvimento chamado autismo.
O autismo é geralmente identificado no momento em que uma criança tem um pouco mais de dois anos de idade.

É muitas vezes descoberto quando os pais ficam preocupados que seus filhos possam ser surdo, ou que ainda não está falando, crianças que resiste a um afago, e evita interação com as outras pessoas.
Alguns dos primeiros sinais e sintomas que sugerem uma criança pode precisar de avaliação mais aprofundada para o autismo incluem:
1. não sorrir já com seis meses de idade

2. não interage indo pra frente ou para trás diante de estímulos visuais ou sons, mostrando interação com gestos ou movimentos faciais de aceitação já com 9 meses de idade

3. Não balbucia ou tentam falar mesmo já tendo 12 meses

4. Não expressam verbalmente com palavras já com 16 meses de idade

5. Não falam mais do que 2 palavras já com dois anos de idade

6. Apresentam regressão de desenvolvimento, mesmo já estando apto a esta fase, por exemplo, regridem na fala, na comunicação gestual, nomeação de objetos e pessoas, etc.

7. Não apresentam habilidades sociais na interação com outras crianças

Uma criança em idade pré-escolar com autismo “clássico” é geralmente retirado ou isolada da classe, e passa a não responder a outras pessoas.

Muitas destas crianças nem mesmo fazem contato visual. Elas também podem se envolver em rituais repetitivos, interagindo apenas consigo mesma.

Apresentam comportamentos como se balançar, bater palmas, ou uma necessidade obsessiva de manter uma determinada ordem em brinquedos ou coisas.

Veja mais sobre autismo infantil, diferença entre autismo e asperg, teste para detectar autismo, como lidar com uma criança autista.

Acesse estas categorias no site ou clique nos links desta página.

 

Teste de personalidade: Teste de Personalidade Borderline

Avalie sua personalidade e faça um teste de personalidade borderline

Instruções: Este teste de personalidade foi concebido para ajudar você a entender se você pode ter Transtorno da Personalidade Borderline. Para cada item, indicar como quanto você concorda ou discorda da afirmação na frase.

Procure responder este teste de personalidade com a verdade para o resultados mais preciso.

1. Eu quase sempre me sinto “vazio”.
a) discordo totalmente          b) discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo          e) concordo totalmente

2. Acho que muitas vezes faço um ou mais dos seguintes procedimentos: dirigir de forma imprudente,  praticar sexo inseguro, abusar de álcool ou drogas, comer compulsivamente, jogar compulsivamente, gastar dinheiro sem controle
a) discordo totalmente          b) discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

3. Às vezes, quando estou estressada – especialmente quando sinto que alguém está me rejeitando eu fico muito paranóica.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

4. Eu muitas vezes espero demais das pessoas, especialmente quando eu desejo compartilhar detalhes mais íntimos com estas pessoas. Mas muitas vezes eu sinto que estas mesmas pessoas não se importam o suficiente comigo.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

5. Às vezes, fico muito irado, extremamente sarcástico e amargo, e sinto
que tenho muita dificuldade em controlar essa raiva.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

6. Eu já tive comportamentos de auto-mutilação, auto-agressão, ou pensamentos suicidas, ou ainda com gestos ou ameaças contra minha pessoa.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

7. Muitas vezes experimentei súbitas mudanças na maneira como eu olho para mim e para minha vida, a ponto de querer mudar completamente meus objetivos, valores e foco na carreira.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

8. Estou muitas vezes com medo que os outros vão me abandonar ou me deixar, então eu faço esforços frenéticos para evitar esse abandono (mesmo quando não é real).
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

9. Meu humor pode alternar entre períodos de extrema ansiedade, depressão ou irritabilidade em apenas algumas horas ou dias.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

10. Meu ponto de vista sobre os outros – especialmente aqueles que me importam – pode mudar dramaticamente sem qualquer aviso.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

11. Eu diria que a maioria dos meus relacionamentos amorosos têm sido muito intenso, mas não muito estável.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

12. Atualmente estou enfrentando problemas suficientes na minha vida que está impactando negativamente a minha capacidade de ir à escola, trabalho, estar com amigos ou família, ou ter um relacionamento romântico.
a) discordo totalmente          b)discordo           c) nem concordo nem discordo  d) concordo            e) concordo totalmente

Resultados de seu Teste de Personalidade Borderline

Para cada resposta com a letra a) some 0 ponto

Para cada resposta com a letra b) some 1 ponto

Para cada resposta com a letra c) some 2 pontos

Para cada resposta com a letra d) some 3 pontos

Para cada resposta coma letra e) some 4 pontos

Resultados de seu Teste de Personalidade Borderline

ESCORE
Se você marcou …acima de 34 ponto voce apresenta sérios indícios do transtorno

Se voce marcou de 28 a 33 pontos voce apresenta alguns indícios do transtorno borderline com pouco controle sobre seus impulsos

Se voce marcou entre 21 e 27 pontos voce é pouco impulsivo, mas em alguns momentos se sente com pouco controle

Se voce marcou entre 15 e 20 pontos voce consegue manter controle sobre seus impulsos e consegue fazer valer sua vontade e opinião

Se voce marcou menos de 15 pontos voce pode muitas vezes deixar de se colocar com receio de ser mal compreendido, ou pertence a um círculo de relacionamentos no qual se sente bem e com grande compartilhamento de opiniões.

Obs: Esta não é uma ferramenta de diagnóstico! E Não cabe como único instrumento de avaliação de personalidade borderline

Por favor, consulte um profissional de saúde mental, se você sente que precisa de mais assistência.

Veja ainda sobre outros testes de personalidade, testes psicológicos, testes de avaliação, testes de ansiedade, teste de depressão, teste de TDAH, etc.

Teste psicológico: Teste para anorexia – Teste de transtorno alimentar

Teste psicológico para saber se tem transtorno alimentar: anorexia, bulimia, compulsão alimentar

Este teste psicológico é um teste cognitivo para detectar presença ou características de transtorno alimentar como anorexia, bulimia ou transtorno de compulsão alimentar

Use esta medida de rastreio cognitivo breve para ajudar a determinar se você pode precisar consultar um profissional de saúde mental para o diagnóstico e tratamento de anorexia, bulimia, ou outro distúrbio alimentar.

Instruções: Esta é uma medida de rastreio para ajudar a determinar se você pode ter um distúrbio alimentar que precisa de atenção profissional.

Esta medida de rastreio não é projetada para fazer um diagnóstico de um transtorno alimentar ou tomar o lugar de um diagnóstico profissional ou consulta.

Para cada item do questionário, indicar em que medida é verdade, marcando a resposta apropriada ao lado do item.

1. Você se sente doente porque percebe que está desconfortavelmente cheio?
a) Não            b) às vezes                c) frequentemente

2. Voce se preocupa se você perdeu o controle sobre o quanto você come?
a) Não             b) às vezes                c) frequentemente

3. Voce recentemente perdeu mais de 15 quilos em um período de 3 meses?
a) Não              b) Sim

4. Você acredita que está gordo (a) quando os outros dizem que está magra demais?
a) Não               b) às vezes            c) frequentemente

5. Você diria que os alimentos dominam sua vida?
a) Não               b) às vezes            c) frequentemente

6) Voce acredita que precisa emagrecer para ser aceita na sociedade

a) Não               b) às vezes            c) frequentemente

7) Voce acha que a pessoa valorizada é a magra e esbelta pela sociedade

a) Não               b) às vezes            c) frequentemente

8 ) Voce estaria disposta a mudar toda sua rotina para conseguir ter o corpo melhor

a) Não                b) às vezes            c) frequentemente

Resultados do seu teste
Para cada questão respondida com a letra a) some 1 ponto

Para cada questão respondida com a letra b) some 2 pontos

Para cada questão respondida com a letra c) some 3 pontos

ESCORE

Se você marcou …acima de 20 pontos voce pode estar com os sintomas de transtorno alimentar e deve buscar ajuda de um profissional

Se voce marcou de 14 a 19 pontos voce possui grande preocupação com seu peso e isso poderá desencadear um transtorno alimentar

Se voce marcou de 8 a 13 pontos voce se preocupa em manter a forma, mas isso não gera grandes transtornos em sua vida e sim é mais provável que voce queira uma vida saudável

Se voce marcou menos de 8 pontos, voce está mais satisfeita com sua forma de alimentação e com seu peso, não se estressando ou deixando que isso interfira em sua forma de viver

Se você está sofrendo de sentimentos que estão causando preocupação e interferem no seu funcionamento diário, você deve procurar tratamento imediato de um profissional de saúde mental treinado dentro da sua comunidade.

Esclarecimento:  Nós não somos responsáveis por qualquer uso ou abuso deste instrumento e este teste somente serve para direcionar sua preocupação em procurar um profissional habilitado para um melhor diagnóstico.